Referências Bibliográficas

Print Friendly, PDF & Email

Referências Bibliográficas

BRASIL. 2002. Decreto nº 4.339, de 22.08.2002. Institui princípios e diretrizes para a implementação da Política Nacional da Biodiversidade. In Diário Oficial da União, Seção 1, pág. , 2 de 23 de agosto de 2002. Imprensa Nacional.

CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS – CNRH. 2003. Resolução Nº 32, de 15 de outubro de 2003. In: Diário Oficial da União, 17 de dezembro de 2003. Imprensa Nacional.

CRISCI, J. V., L. KATINAS & P. POSADAS. 2003. Historical Biogeography: an introduction. Harvard University Press. Cambridge, Massachusetts. London, England. 250pp.

GOLOBOFF P. 2005. NDM / VNDM ver. 2.7. Programs for identification of areas of endemism. Programa, documentação, e código fonte disponível em www.zmuc.dk/public/phylogeny/endemism

LOWE-MCCONNELL, R. H. 1999. Estudos ecológicos de comunidades de peixes tropicais. Edusp, São Paulo.

MENEZES, N. A. 1996. Padrões de distribuição da biodiversidade da Mata Atlântica do sul e sudeste brasileiro: Peixes de Água Doce.. In: Workshop Padrões de Distribuição da Diversidade da Mata Atlântica do Sul e Sudeste Brasileiro.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. 2006. Resolução n.o 3, de 21 de dezembro de 2006 do CONABIO.

NELSON, J. S. 2006. Fishes of the world. John Wiley & Sons, New York.

PRUDENTE, A. L. C. 2003. Coleções brasileria de Répteis. In: Peixoto, A. L., org., Coleções Biológicas de Apoio ao Inventário, Uso Sustentável e Conservação de Biodiversidade. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 228 pp e anexos.

REIS, R. E., S .O. KULLANDER & C. J. FERRARIS-JR. (orgs.). 2003. Check list of the freshwater fishes of South and Central America. EDIPUCRS, Porto Alegre.

RIBEIRO, A. C. 2006. Tectonic History and the Biogeography of the Freshwater Fishes from the Coastal Drainages of Eastern Brazil: An Example of Faunal Evolution Associated with a Divergent Continental Margin. Neotropical Ichthyology, Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 225-246.

SARMENTO-SOARES, L. M. 2007. Plano de Trabalho Diversidade, endemismo e análise biogeográfica de siluriformes em sistemas hídricos pouco explorados no extremo sul da bahia (Osteichthyes: Ostariophysi). Disponível em 15http://www.nossacasa.net/biobahia/doc/Plano_de_Trabalho.pdf. Acessado em 2/8/2008

SARMENTO-SOARES, L. M. & R. F. MARTINS-PINHEIRO. 2008. Rios Peixes do Espírito Santo – Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado. Disponível em: http://www.nossacasa.net/biobahia/doc/Peixes_ES.pdf. Acessado em 5/8/2008.

SZUMIK C & P. A. GOLOBOFF. 2004. Areas of endemism. An improved optimality criterion. Systematic Biology 53: 968-977.

SZUMIK, C. A., F. CUEZZO., P. A. GOLOBOFF & A. E. CHALUP. 2002. An optimality criterion to determine areas of endemism. Systematic Biology, 51, 806–816.

TAYLOR, W. R. & G. VAN DYKE. 1985. Revised procedures for staining and clearing small fishes and other vertebrates for bone and cartilage study. Cybium, 9: 107-119.

VARI, R. P. & S. H. WEITZMAN. 1990. A review of the phylogenetic biogeography of the freshwater fishes of South America. Pp. 381–393. In: Peters, G. & R. Hutterer (Eds.). Vertebrates in the Tropics. Proceedings of the International Symposium on Vertebrate Biogeography and Systematics in the Tropics, Bonn, June 5–8, 1989. Alexander Koenig Zoological Research Institute and Zoological Museum, Bonn, 424p.

VIEIRA, F & J. L. GASPARINI. 2007. Os Peixes Ameaçados de Extinção no Estado do Espírito Santo. In: Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Estado do Espírito Santo Org. Passamani, M. & S. L. Mendes. – Vitória. Instituto de Pesquisas da Mata Altântica, 2007. 140 p. :il. (color) : 30cm

Deixe uma resposta