Mata Atlântica Nordeste

Tipo de Habitat Principal
Rios costeiros tropicais e subtropicais

Países
Brasil

Limites
Essa ecorregião inclui todas as bacias de drenagem costeira no leste do Brasil, desde a drenagem de Rio Itabapoana, no sul, até o rio Sergipe, no norte. A oeste, é limitada pela divisão de drenagem com a bacia do Rio São Francisco ao longo da Serra do Espinhaço.

Drenagens: fluindo para oceano Atlântico

Principais rios ou outras massas de água
Rio Itabapoana, Rio Itapemirim, Rio São Matehus, Rio Mucurí, Rio Doce, Rio Jequitinhonha, Rio de Contas, Rio Jacuipe, Rio Paraguaçu, Rio Itapicuru e Rio Vaza-barris

Topografia
Os rios desta ecorregião drenam as encostas orientais da Serra do Espinhaço até a costa atlântica em uma paisagem variada, atravessando montanhas cristalinas, vales e planaltos de arenito. Os substratos variam de rochas subterrâneas pré – cambrianas a depósitos terciários-quaternários da Formação Barreiras (Dillenburg e Hesp 2009; Martin et al. 1996). As elevações se estendem da planície costeira plana até 2890 m de altitude no Pico da Bandeira, que faz parte da Serra do Caparaó.

Clima
O clima em torno de Salvador da Bahia é quente e úmido, com chuvas distribuídas uniformemente ao longo do ano. Mais ao sul, em torno de Vitória, o clima é mais sazonal, com uma estação seca que dura entre maio e setembro. As condições semiáridas existem mais para o interior da bacia do alto Rio de Contas. A precipitação média anual varia entre 400 mm nesta bacia e mais de 2400 mm ao longo da costa norte (Hijmins et al. 2004). As temperaturas médias anuais variam entre 11 e 26 ºC.

Habitats de água doce
Os habitats de água doce variam de grandes rios de baixa corrente lenta de gradiente baixo a riachos íngremes de cabeceiras com águas rápidas. Muitos córregos costeiros têm manguezais associados às suas áreas estuarinas. A porção baixa dos grandes rios é dominada por substrato macio composto por fundos arenosos e lamacentos, enquanto as porções médio-superiores têm extensos alcances de poças profundas, corredeiras e corredeiras com cascalho e pedras como substrato dominante. Os alcances superiores alternam-se da rocha (arenitos graníticos ou sedimentares) a rochas e rochas, com muitas piscinas e corredeiras.

Habitats terrestres
Mata Atlântica , ou Mata Atlântica, é o tipo de vegetação dominante da ecorregião. Esta é subdividida em florestas costeiras atlânticas e florestas decíduas e decíduas atlânticas. As florestas costeiras atlânticas nesta ecorregião se distinguem de outras florestas atlânticas por seu conjunto único de endemias, além de estrutura e composição semelhantes às florestas amazônicas (WWF 2001). As florestas sazonais mais para o interior incluem uma mistura heterogênea de florestas semidecíduas e decíduas, florestas sempre verdes e campo rupestre ( pastagens de alta altitude). As florestas interiores do Atlântico são delimitadas ao norte pela caatinga e ao oeste pelo cerrado. Restingas e manguezais alinham-se na costa.

Fauna de Peixes
Atualmente, mais de duzentas espécies são registradas na ecorregião nordeste da Mata Atlântica . Estes são representados principalmente por Siluriformes (43%), Characiformes (36%) e Cyprinodontiformes (13%). Existem também nove ciclídeos e o corvina brasileiro ( Pachyurus adspersus ); três peixes-faca elétricos, incluindo Gymnotus bahianus , peixe-faca em faixas ( Gymnotus carapo ) e peixe-faca em vidro ( Eigenmannia virescens ); e enguia do pântano marmoreada ( Synbranchus marmoratus ).

Descrição de peixes endêmicos:
Mais de 60% das espécies na ecorregião são endêmicas, além de oito gêneros endêmicos: Myxiops, Lignobrycon, Henochilus, Glaphyropoma, Wertheimeria, Nematocharax, Kalyptodoras e Prorivulus. Vinte e três por cento das endêmicas são caracídeos, seguidos por loricarióides (18%), rivulídeos (15%) e tricomicteróides (15%).

Outros peixes dignos de nota
As mudanças antropogênicas provavelmente reduziram a diversidade de peixes de água doce no Rio Doce, que atualmente é dominado por espécies difundidas que mostram altas tolerâncias às mudanças ambientais e à poluição (Marques et al. 2004).

Justificação para delineamento
O Nordeste Mata Atlântica cai dentro Gery (1969) East região da fauna brasileira e província sudeste e Ringuelet (1975) ríos costeros SE Brasil ichthyographic província . A ecorregião contém alto endemismo, incluindo sete gêneros endêmicos.

Nível de exploração taxonômica
Boa

Referências
Buckup, PA, Menezes, NA e Ghazzi, MS (Ed.) (2007). “Catálogo das espécies de peixes de água doce do Brasil” Rio de Janeiro: Museu Nacional.

Dillenburg, S. e Hesp, P. (2009). “Geologia e Geomorfologia das Barreiras Costeiras Holocenas do Brasil” Berlim, Alemanha: Springer-Verlag.

Gery, J. (1969) “Os peixes de água doce da América do Sul” In EJ Fitkau (Ed.). Biogeografia e Ecologia na América do Sul . (pp. 828-848) Haia: Dr. W. Junk.

Hijmans, RJ, S. Cameron e Parra., J. (2004) “WorldClim, Versão 1.4 (release 3). Um banco de dados com uma resolução de um quilômetro quadrado do clima global da superfície terrestre” <[http://www.worldclim.org]> (16 de julho de 2009)

Kottek, M., J. Grieser, C. Beck, et ai. (2006). “Mapa mundial da classificação climática de Köppen-Geiger atualizado” Meteorologische Zeitschrift 15 259-263.

Marques, M., Monica F. da Costa, Maria Iries de O. Mayorga, et al. (2004). “Ambientes hídricos: pressões antropogênicas e alterações ecossistêmicas nas bacias hidrográficas do Atlântico” Ambio 33 (1-2) 68-77.

Martin, L., Suguio, K., Flexor, J.-M., et al. (1996). “Formações quaternárias costeiras da parte sul do estado do Espírito Santo (Brasil)” Anais da Academia Brasileira de Ciências 68 (3) 389-404.

Menezes, NA, Weitzman, SH, Oyakawa, OT, Lima, FCT, Castro, RMC; Weitzman, MJ (2007). “Peixes de água doce da Matya Atlântica: lista preliminar de espécies e comentários sobre a conservação de peixes de água doce neotropicais” São Paulo: Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo.

Reis, R., Kullander, S. e Ferraris, C. (Ed.) (2003). “Lista de verificação dos peixes de água doce da América do Sul e Central” Porto Alegre, Brasil: EDIPUCRS.

Ringuelet, RA (1975). “Zoogeografia e ecologia dos peixes de águas continentais da Argentina e considerações sobre as áreas biológicas da América do Sul” Ecosur 2 (1) 1-122.

Rosa, RS, Menezes, NA, Britski, A., et al. (2003) “Diversidade, padrões de distribuição e conservação dos peixes da Caatinga” Em IR Leal, M. Tabarelli e JMC Silva (Ed.). Ecologia e Conservação da Caatinga . (pp. 135-180) Recife: Editora Universitária UFPE.

Fundo Mundial para a Vida Selvagem (WWF) (2001) “Ecorregiões terrestres do mundo”


Fonte: http://www.feow.org/

Print Friendly, PDF & Email