Ementa 2011

Print Friendly, PDF & Email
PBAN-9526 – BIOGEOGRAFIA
Biogeografia e Conservação de Fauna Aquática

Carga horária: 60 hs
Créditos: 4

EMENTA:

Introdução a Biogeografia (Histórico e primeiros esforços de divisão biogeográfica do mundo; Objetivos da Biogeografia como disciplina-síntese; Biogeografia ecológica, Biogeografia histórica e correntes derivadas); Padrões de Distribuição (Disjunções, Grupos relictuais, Corredores/filtros/sweepstakes, Endemismo e cosmopolitismo, Padrões de raridade, Padrões de biodiversidade – hotspots, regras biogeográficas; Terminologia biogeográfica associada aos padrões de distribuição); Padrões no passado (Tectônica de placas, O grande intercâmbio americano, Grandes eventos de extinção); Ilhas e ambientes insulares (Biogeografia de Ilhas, Refúgios pleistocênicos); Biogeografia analítica (Biogeografia Dispersionista e Biogeografia Vicariante, Panbiogeografia, Biogeografia Filogenética, Biogeografia Cladística, Análise Parcimoniosa de Endemismo, Filogeografia); Biogeografia Aplicada à Conservação (Métodos de Seleção de Áreas Prioritárias, Planejamento Sistemático de Conservação).

PROGRAMA:

Módulo 1- Zoogeografia.
Regiões zoogeográficas. Região Neotropical. Formação das bacias continentais na América Sul. Conhecimento da história tectônica do continente Sul Americano através da formação das bacias hidrográficas.Eventos vicariantes e diversificação da fauna aquática. Exemplos.Avaliação dos padrões de distribuição geográfica: fatores históricos e ambientais.Exercícios com mapas. Seminários de avaliação.

Módulo 2- Biogeografia da conservação.
Hotspots. Ecorregiões aquáticas brasileiras. Conservação da biota aquática. Áreas de endemismo. Planejamento e delimitação de Unidades de Conservação para preservação dos ecossistemas aquáticos. Seminários de avaliação.

METODOLOGIA:
O curso abrangerá aulas teóricas e práticas atendendo às necessidades específicas de cada módulo abordado.
Módulo 1. As aulas acerca da avaliação dos padrões de distribuição geográfica incluirão exercícios com mapas, para reconhecimento de endemismos e leitura de textos centrados em zoogeografia e organismos aquáticos.

Módulo 2. A análise zoogeográfica dos peixes Sul Americanos como estudo de caso complementará a abordagem desenvolvida dentro do curso, fornecendo informações sobre o estado de conhecimento em padrões de distribuição e avaliando o endemismo regional. Leitura de textos e resolução de exercícios para desenvolver um olhar crítico em biogeografia e conservação.
Ao final da disciplina os alunos realizarão seminários sobre estudos temáticos abordados no curso.

AVALIAÇÃO:
A avaliação do desempenho dos alunos será feita através dos seguintes instrumentos:
Participação na resolução dos exercícios em biogeografia
Relatórios das aulas práticas e estudos de caso.
Redação e apresentação de seminários a partir de textos selecionados temáticos em biogeografia.

BIBLIOGRAFIA

Bizzi, L.A., C. Schobbenhaus, R.M. Vidotti & J.H. Gonçalves (Org.) 2003. Geologia, Tectônica e Recursos Minerais do Brasil. CPRM-Serviço Geológico do Brasil. Texto, Mapas e SIG.
Bizerril, C.R.S.F., 1994. Análise taxonômica e biogeográfica da ictiofauna de água doce do leste brasileiro. Acta Biol. Leopoldensia 16 (1): 51-80.
Buckup, P.A. 1999. Sistemática e biogeografia de peixes de riacho, pp. 91-135, in: Caramaschi, E.P., R.Mazzoni & P.R.Peres-Neto (eds.), Ecologia de Peixes de Riacho: Estado Atual e Perspectivas.Oecologia Brasiliensis, VI, Rio de Janeiro.
Carvalho, C.J.B. 2004. Ferramentas atuais da Biogeografia Histórica para utilização em conservação. In: Milano. M. S., Takahashi, L. Y. & Nunes, M. L. Unidades de Conservação: atualidades e tendências Pp. 92-103. Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. Curitiba.
Castro, R.M.C. 1999. Evolução da ictiofauna de riachos sul-americanos: padrões gerais e possíveis processos causais. In: Ecologia de peixes de riachos: Estado Atual e Perspectivas. (E.P. Caramaschi, R. Mazzoni, C.R.S.F. Bizerril & P.R. Peres-Neto, eds.). Oecologia Brasiliensis, vol. VII, Rio de Janeiro, p. 139-155.
Costa, W.J.E.M. 1995. Pearl Killifishes: The Cynolebiatinae: Systematics and Biogeography of a Neotropical Annual Fish Subfamily (Cyprinodontiformes: Rivulidae. T.F.H. Publ., Neptune City, 128 pp.
Hernández, H.M., A.N. García Aldrete, F. Alvarez & M. Ulloa. 2001. Enfoques contemporâneos para el estúdio de la biodiversidad. México: Ediciones Científicas Universitárias.
Lundberg, J.G.; Marshall, L.G.; Guerrero, J.; Horton, B.; Malabarba, M.C.S.L. & Wesselingh, F. 1998. The stage for Neotropical fish diversification: A history of tropical South American rivers. In: L.R. Malabarba, R.E. Reis, R.P. Vari, Z.M.S. Lucena & C.A.S. Lucena (Eds.). Phylogeny and classification of Neotropical fishes. Edipucrs, Porto Alegre p. 13–48.
Magurran, A. E. 2004. Measuring biological diversity. Oxford: Blackwell Publishing.
MMA ? Ministério do Meio Ambiente. 2004. Lista Nacional das Espécies de Invertebrados Aquáticos e Peixes Ameaçadas de Extinção. Instrução Normativa nº 5, 21 de Maio de 2004. In: Diário Oficial da União, seção 1, nº 102, sexta-feira, 28 de maio de 2004. Imprensa Nacional. pp. 136-141.
Morrone, J.J., D.E. Organista & J.L. Bousquets. 1996. Manual de biogeografia histórica. México: Universidad Nacional Autônoma de México.
Reis, R.E.; S.O. Kullander & C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
Ribeiro, A.C. 2006. Tectonic history and the biogeography of the freshwater fishes from the coastal drainages of eastern Brazil: an example of faunal evolution associated with a divergent continental margin. Neotropical Ichthyology 4 (2): 225-246.
Sarmento-Soares, L.M. Mazzoni, R. & Martins-Pinheiro, R.F. 2009. A fauna de peixes nas bacias litorâneas da Costa do Descobrimento, extremo sul da Bahia, Brasil. Sitientibus Série Ciências Biologicas 9(2/3):139-157.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

Alkmim, F.F., A.C. Pedrosa-Soares, C.M. Noce & S.C.P. Cruz. 2007. Sobre a evolução tectônica do orógeno Araçuaí-Congo Ocidental. Geonomos 15(1): 25 ? 43.
Arai, M. 2006. A Grande Elevação Eustática do Mioceno e Sua Influência na Origem do Grupo Barreiras. Geologia USP 6 (2): 1-6.
Britski, H.A.; Sato, Y. & Rosa, A.B.S. 1986. Manual de identificação de peixes da região de Três Marias: com chaves de identificação para os peixes da bacia do São Francisco. 2ª. edição. CODEVASF. Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco, Brasília.
Buckup, P.A. 1998. Biodiversidade dos Peixes da Mata Atlântica. In: Base de Dados Tropical (ed.). Biodiversity Patterns of South and Southeast Atlantic Rain Forest. http://www.bdt.org.br/bdt/workmatasud/peixes.
Campanili, M & M. Prochnowpp (orgs.). 2006. Mata Atlântica ? Uma rede pela floresta. Rede de ONGs da Mata Atlântica. RMA, Brasília, p.198–234.
Cesero, P. & F. C. Ponte. 1997. Análise comparativa da paleogeologia dos litorais atlânticos brasileiro e africano. Boletim de Geociências, PETROBRAS, 11(1/2): 1?18.
Cetra, M., L.M. Sarmento-Soares & R. F. Martins-Pinheiro. 2010. Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, 5(1): 11-21.
Chagas, L.S. 2003. Bacias sedimentares Brasileiras. Bacia do Jequitinhonha. Phoenix 5 (59): 1-5.
Costa, W.J.E.M. 1996. Phylogenetic and biogeographic analysis of the neotropical annual fish genus Simpsonichthys (Cyprinodontiformes: Rivulidae). J. Comp. Biol. 1 (3/4): 129-140.