Ementa 2012

Print Friendly, PDF & Email
PBAN-9526 – BIOGEOGRAFIA
Biogeografia e Conservação de Fauna Aquática

Carga horária: 60 hs
Créditos: 4

EMENTA:

Introdução a Biogeografia (Histórico e primeiros esforços de divisão biogeográfica do mundo; Objetivos da Biogeografia como disciplina-síntese; Biogeografia ecológica, Biogeografia histórica e correntes derivadas); Padrões de Distribuição (Disjunções, Grupos relictuais, Corredores/filtros/sweepstakes, Endemismo e cosmopolitismo, Padrões de raridade, Padrões de biodiversidade – hotspots, regras biogeográficas; Terminologia biogeográfica associada aos padrões de distribuição); Padrões no passado (Tectônica de placas, O grande intercâmbio americano, Grandes eventos de extinção); Ilhas e ambientes insulares (Biogeografia de Ilhas, Refúgios pleistocênicos); Biogeografia analítica (Biogeografia Dispersionista e Biogeografia Vicariante, Panbiogeografia, Biogeografia Filogenética, Biogeografia Cladística, Análise Parcimoniosa de Endemismo, Filogeografia); Biogeografia Aplicada à Conservação (Métodos de Seleção de Áreas Prioritárias, Planejamento Sistemático de Conservação).

PROGRAMA :
Módulo 1- Zoogeografia.
Regiões zoogeográficas. Região Neotropical. Formação das bacias continentais na América Sul. Conhecimento da história tectônica do continente Sul Americano através da formação das bacias hidrográficas.Eventos vicariantes e diversificação da fauna aquática. Exemplos.Avaliação dos padrões de distribuição geográfica: fatores históricos e ambientais.Exercícios com mapas. Seminários de avaliação.

Módulo 2- Biogeografia da conservação.
Hotspots. Ecorregiões aquáticas brasileiras. Conservação da biota aquática. Áreas de endemismo. Planejamento e delimitação de Unidades de Conservação para preservação dos ecossistemas aquáticos. Seminários de avaliação.

METODOLOGIA:
O curso abrangerá aulas teóricas e práticas atendendo às necessidades específicas de cada módulo abordado.
Módulo 1. As aulas acerca da avaliação dos padrões de distribuição geográfica incluirão exercícios com mapas, para reconhecimento de endemismos e leitura de textos centrados em zoogeografia e organismos aquáticos.

Módulo 2.A análise zoogeográfica dos peixes Sul Americanos como estudo de caso complementará a abordagem desenvolvida dentro do curso, fornecendo informações sobre o estado de conhecimento em padrões de distribuição e avaliando o endemismo regional. Leitura de textos e resolução de exercícios para desenvolver um olhar crítico em biogeografia e conservação.
Ao final da disciplina os alunos realizarão seminários sobre estudos temáticos abordados no curso.

AVALIAÇÃO:
A avaliação do desempenho dos alunos será feita através dos seguintes instrumentos:
Participação na resolução dos exercícios em biogeografia
Relatórios das aulas práticas e estudos de caso.
Redação e apresentação de seminários a partir de textos selecionados temáticos em biogeografia.

BIBLIOGRAFIA:

Albert, J.S. & R.E. Reis (Orgs.). 2011. Historical Biogeography of Neotropical Freshwater Fishes. University of California Press. Berkeley.
Bizerril, C.R.S.F., 1994. Análise taxonômica e biogeográfica da ictiofauna de água doce do leste brasileiro. Acta Biol. Leopoldensia 16 (1): 51-80.
Buckup, P.A. 1999. Sistemática e biogeografia de peixes de riacho, pp. 91-135, in: Caramaschi, E.P., R.Mazzoni & P.R.Peres-Neto (eds.), Ecologia de Peixes de Riacho: Estado Atual e Perspectivas.Oecologia Brasiliensis, VI, Rio de Janeiro.
Carvalho, C. J. B. de & E. A. B. Almeida (Orgs.). 2011. Biogeografia da América do Sul: padrões & processos. São Paulo, Editora Roca.
Carvalho, C.J.B. 2004. Ferramentas atuais da Biogeografia Histórica para utilização em conservação. In: Milano. M. S., Takahashi, L. Y. & Nunes, M. L. Unidades de Conservação: atualidades e tendências Pp. 92-103. Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. Curitiba.
Castro, R.M.C. 1999. Evolução da ictiofauna de riachos sul-americanos: padrões gerais e possíveis processos causais. In: Ecologia de peixes de riachos: Estado Atual e Perspectivas. (E.P. Caramaschi, R. Mazzoni, C.R.S.F. Bizerril & P.R. Peres-Neto, eds.). Oecologia Brasiliensis, vol. VII, Rio de Janeiro, p. 139-155.
Hernández, H.M., A.N. García Aldrete, F. Alvarez & M. Ulloa. 2001. Enfoques contemporâneos para el estúdio de la biodiversidad. México: Ediciones Científicas Universitárias.
Lundberg, J.G.; Marshall, L.G.; Guerrero, J.; Horton, B.; Malabarba, M.C.S.L. & Wesselingh, F. 1998. The stage for Neotropical fish diversification: A history of tropical South American rivers. In: L.R. Malabarba, R.E. Reis, R.P. Vari, Z.M.S. Lucena & C.A.S. Lucena (Eds.). Phylogeny and classification of Neotropical fishes. Edipucrs, Porto Alegre p. 13–48.
Magurran, A. E. 2004. Measuring biological diversity. Oxford: Blackwell Publishing.
Morrone, J.J., D.E. Organista & J.L. Bousquets. 1996. Manual de biogeografia histórica. México: Universidad Nacional Autônoma de México.
Reis, R.E.; S.O. Kullander & C.J. Ferraris, Jr. (eds.) Checklist of the Freshwater Fishes of South and Central America. Porto Alegre: EDIPUCRS, Brasil.
Ribeiro, A.C. 2006. Tectonic history and the biogeography of the freshwater fishes from the coastal drainages of eastern Brazil: an example of faunal evolution associated with a divergent continental margin. Neotropical Ichthyology 4 (2): 225-246.
Rosa, R.S. & F.C.T. Lima. 2008. Os peixes brasileiros ameaçados de extinção. In: MMA- Ministério do Meio Ambiente. Livro vermelho da fauna brasileira ameaçada de extinção. Volume II. Série Biodiversidade 19.
Sarmento-Soares, L.M. Mazzoni, R. & Martins-Pinheiro, R.F. 2009. A fauna de peixes nas bacias litorâneas da Costa do Descobrimento, extremo sul da Bahia, Brasil. Sitientibus Série Ciências Biologicas 9(2/3):139-157.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

Britski, H.A.; Sato, Y. & Rosa, A.B.S. 1986. Manual de identificação de peixes da região de Três Marias: com chaves de identificação para os peixes da bacia do São Francisco. 2ª. edição. CODEVASF. Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco, Brasília.
Campanili, M & M. Prochnowpp (orgs.). 2006. Mata Atlântica. Uma rede pela floresta. Rede de ONGs da Mata Atlântica. RMA, Brasília, p.198–234.
Cesero, P. & F. C. Ponte. 1997. Análise comparativa da paleogeologia dos litorais atlânticos brasileiro e africano. Boletim de Geociências, PETROBRAS, 11(1/2): 1?18.
Cetra, M., L.M. Sarmento-Soares & R. F. Martins-Pinheiro. 2010. Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, 5(1): 11-21.
Chagas, L.S. 2003. Bacias sedimentares Brasileiras. Bacia do Jequitinhonha. Phoenix 5 (59): 1-5.
Costa, W.J.E.M. 2009. Peixes aploqueilóideos da Mata Atlântica brasileira: história, diversidade e conservação. Série livros 34. Museu Nacional. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.
Costa, W.J.E.M. 2002. Peixes anuais brasileiros: diversidade e conservação. Ed. UFPR, Curitiba.
Costa, W.J.E.M. 1995. Pearl Killifishes: The Cynolebiatinae: Systematics and Biogeography of a Neotropical Annual Fish Subfamily (Cyprinodontiformes: Rivulidae. T.F.H. Publ., Neptune City, 128 pp.
Menezes, N. A.; Weitzman, S. H.; Oyakawa O. T.; Lima, F. C. T.; Castro, R. M.; Weitzman, M. J. 2007. Peixes de água doce da Mata Atlântica – Lista preliminar das espécies e comentários sobre conservação de peixes de água doce neotropicais. Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo. São Paulo.