Dia da água em uma pequena vila no Espírito Santo

Coluna da Luisa
Luisa é uma das criadoras do Coletivo Córrego da Tiririca. Ela nos brinda com suas considerações sobre diversos aspectos ligados direta ou indiretamente com nosso projeto.



Queridos.
Hoje é dia da água.

Crianças da escola Benonio Falcão de Gouvêa, observam Xenurolebias myersi em aquário. foto de Márcia Lederman
.
Aquele precioso líquido que faz parte de nós. É dia de celebrar como nossas águas doces são importantes em nossas vidas.
Na pequena vila de Itaúnas, no extremo norte do Espírito Santo, quase na Bahia, vive um peixinho ameaçado de extinção.

E vejam bem, apesar de bonito e colorido, o povo do lugar não o conhece bem. Ele vive escondido nos brejos e alagados da várzea do rio Itaúnas e riacho Doce.

Nas fortes chuvas de dezembro de 2021 ele foi encontrado por morador local, que cuidou e protegeu o peixinho, com a ajuda da ong local, a SAPI, de pesquisadores do Instituto Nossos Riachos, do ICMBIO através do PAN Rivulídeos e é claro do Parque Estadual de Itaúnas.

Com todo o apoio e cuidado alguns peixinhos foram mantidos num aquário para serem apresentados as crianças e jovens da vila. E não havia data melhor do que o dia da água. E assim o foi. Movidas de curiosidade, meninos e meninas vieram observar aquele peixe, que só existe em Itaúnas. E olha que muitos desses jovens jamais tinham visto um aquário!

Com a ajuda de todos, celebrar a vida deste pequeno ser das águas é algo que nos emociona profundamente. Juntos vamos proteger os ambientes das águas, não apenas hoje, mas por todos os dias de nossas vidas.

Peixinhos de riacho e a conservação dos córregos

Coluna da Luisa
Luisa é uma das criadoras do Coletivo Córrego da Tiririca. Ela nos brinda com suas considerações sobre diversos aspectos ligados direta ou indiretamente com nosso projeto.



Rios e riachos são povoados por peixes, muitos deles tão pequenos que cabem na palma da sua mão. Por serem tão pequeninos, eles precisam se proteger, e é isso que fazem muito bem. São bichinhos tímidos, e ariscos. Durante o dia ficam escondidos entre a vegetação aquática, ou entre as pedras do rio e é preciso um olhar curioso para ter a sorte de vê-los. Mas eles estão ali, são muitos, alguns coloridos e outros nem tanto e se confundem com o fundo do rio. São piabas, lambaris, mandis, carás, barrigudinhos, cascudos, bagrinhos e por aí vai. Esses peixinhos são assim chamados peixes de riacho. E como estamos na Mata Atlântica, peixes de riacho da Mata Atlântica. Eles nos presenteiam com sua magnífica presença quando nós temos um tempo para parar e simplesmente observar a água. Você já parou para ver o fluir da água do riacho? Pois experimente. Simplesmente se sente a margem do rio. Se debruce na ponte. Curta os sons. Observe. Quando o tempo está seco, e a água do rio fica mais clara, cristalina, e dá para ver o movimento deles. Essas pequenas formas de vida se entrelaçam com o ambiente do riacho, e dele dependem para viver. Por isso eles são muito delicados e sensíveis. Precisam da mata, da sombra, da água fresca, das frutas e insetos que caem na água para alimentá-los. Das raízes das plantas flutuantes para guardarem seus filhotes. Da mata ciliar para tirar aquele cochilo do dia. O riacho é cheio de vida, de dia e de noite.

Trichogenes claviger, espécie ameaçada de extinção, apenas encontrada em riachos de Mata Atlântica da região serrana ao sul do Espírito Santo. Foto: Juliana Paulo da Silva.

Tem riachos perto das nascentes, com pedras altas, seixos rolados e correnteza forte. E também aqueles de águas calmas, que formam lagoinha na nascente e suavemente seguem seu caminho. Tem ainda poças e brejos perto do mar, riachos de água doce escura, cor de chá mate, em plena restinga. São berçários da vida de água doce, e é preciso cuidá-los. A retirada das matas, o sol forte, acaba com o ambiente de vida das águas.

Nas cidades o risco vem principalmente do esgoto e lixo. O respeito a água doce vem com o saneamento, com o destino correto dos rejeitos, com a valoração dos ambientes das águas. Se você leitor, está na cidade, que te parece cuidar do rio do seu bairro?

No campo, a substituição das matas pela monocultura, preocupa não só pela supressão da vegetação original em si, mas pela adoção de agrotóxicos nas plantações. O veneno escoa para as águas contaminando e comprometendo a vida aquática. E não para por aí. A excessiva captação de água para irrigação reduz o nível de água do lençol freático. E o Brasil é campeão em agricultura irrigada! Não se questiona a prática agrícola, mas há outras formas de fazê-la com menor custo ambiental. O uso inadequado do solo vem também de uma tradição agrícola importada. Os colonizadores europeus vieram de um continente com baixa biodiversidade, talvez por isso não soubessem valorizar a opulência que aqui reina até hoje.

E assim, os ambientes aquáticos e seus peixes estão precisando de ajuda. Muitos peixes da Mata Atlântica estão ameaçados extinção, como o bagrinho capixaba ilustrado acima. Mas que utilidade ele tem? É mais um elo na intrincada teia da vida. E precisa ser utilitário? A natureza não está aqui para nos servir. Ela simplesmente está. E respeitar sua permanência é o que podemos fazer. Para finalizar, vamos pensar- durante sua vida, já notou diferença nos riachos que você conhece? Conta para nós!

Peixes das nuvens do Itaunas

Coluna da Luisa
Luisa é uma das criadoras do Coletivo Córrego da Tiririca. Ela nos brinda com suas considerações sobre diversos aspectos ligados direta ou indiretamente com nosso projeto.



Existem pequenos peixes que vivem em ambientes temporários, e que são muito vulneráveis a supressão da vegetação. São os peixes das nuvens.
A razão deste nome é que em algumas regiões do nordeste a população acreditava que os peixes vinham com a água da chuva, pois “brotavam” da lama seca, onde não tinha vida alguma.

Acima, o macho, com tons vermelho-alaranjados e nadadeiras longas e coloridas. Embaixo, a fêmea, com duas máculas escuras nos lados do corpo e nadadeiras transparentes.

Estes pequenos peixes, do tamanho de um barrigudinho, tem ciclo de vida anual, ou seja, completam todo o ciclo de vida em ambientes aquáticos temporários, sendo encontrados em estagio adulto somente em breves períodos do ano.

Rapidamente crescem e amadurecem durante a estação chuvosa e quando vem a estiagem morrem, já que as poças que são seu hábitat secam. Os ovos permanecem em estado de diapausa, adormecidos, na lama úmida do fundo da poça e eclodem por ocasião do enchimento das mesmas, na estação chuvosa, renovando seu ciclo. Quando chove muito forte, os peixes anuais nos presenteiam com sua magnífica presença.

Mas esses peixes, que vivem em brejos na mata de baixada e na restinga estão ameaçados de extinção.

As pequenas poças temporárias nas baixadas costeiras onde vivem estão desaparecendo.

Conservar espécies da fauna e da flora passa pela manutenção de seus ambientes de vida. Todos nós podemos cuidar da vida, de perpetuar as espécies ameaçadas para que elas continuem a viver na nossa região.

A educação ambiental de jovens da comunidade é um caminho de tornar mais bem conhecidos os pequenos peixes de riacho.

Os peixes anuais se chamam Xenurolebias myersi, mas podemos chama-los de peixe anual do Itaúnas. São as jóias do rio Itaúnas!

Caminhos para conservar
A substituição das matas pela monocultura, principalmente de eucalipto, preocupa não só pela supressão em si, mas pela adoção de defensivos agrícolas nas plantações. O veneno escoa para as águas contaminando e comprometendo a vida aquática.

Por isso o diálogo entre o setor madeireiro e as áreas protegidas é tão importante. Buscar soluções conciliatórias, que beneficiem a todos. A empresa sai ganhando por ter protegido a vida aquática e o meio ambiente se beneficia de uma riqueza viva. Será este um sonho possível?

O Rio Itaúnas é um oásis de vida- Vamos proteger suas águas priorizando uma agricultura sustentável no vale.

Ao longo do vale do rio Itaúnas as quatro áreas de proteção integral (Córrego do Veado, Córrego Grande, floresta Nacional do Rio Preto e Parque Estadual de Itaúnas) mal chegam aos dois mil hectares de terra. Pela pequena dimensão destas áreas protegidas, as práticas agrícolas em seu entorno, tem enorme impacto, criando sérios riscos para que elas exerçam seu papel na conservação.

As reservas acabam sendo ilhas de biodiversidade isoladas, sem conexão entre si, e cercadas de todos os lados por eucalipto, pastagem e pequenas áreas de fruticultura.

O desmatamento do vale fluvial do Itaúnas e a substituição das matas por monoculturas com intensivo uso de veneno compromete a qualidade das águas, das quais as reservas são dependentes.

Nós temos a esperança de poder espalhar a ideia de trazer práticas agrícolas ambientalmente amigáveis ao vale do Itaúnas e dignificar a vida do trabalhador rural. Que passe a ter fartura em sua mesa e melhor qualidade de vida.

Agricultura ambientalmente amigável e educação ambiental. Vemos esse como um caminho conciliatório rumo ao desenvolvimento sustentável da região.
Vamos cultivar essa ideia?

Os brejos nas matas

Coluna da Luisa
Luisa é uma das criadoras do Coletivo Córrego da Tiririca. Ela nos brinda com suas considerações sobre diversos aspectos ligados direta ou indiretamente com nosso projeto.



As zonas úmidas e seu papel na regulação de umidade, temperatura e manutenção da sociobiodiversidade nas cidades

A Mata Atlântica é reconhecida como uma das prioridades mundiais para a conservação, estando entre as 25 áreas no planeta reconhecidas como “hotspots”. Mas o que pouca gente sabe é que dentro da floresta tem outras paisagens, como é o caso das restingas, manguezais e também áreas alagadas. Alagados ocupam mais de um quinto da superfície da floresta tropical em nosso país. Assim, pântano, charco, brejo, turfeira, mata paludosa, zonas úmidas, humedales (em espanhol) ou wetlands (inglês): todos esses nomes se referem ao brejo, ambiente que abrigou e ainda abriga muitos dos povos indígenas do nosso litoral, oferecendo-lhes alimento farto e proteção em suas várzeas. Nas palavras de Alberto Lamego: São as águas rasas das lagoas que os impelem à construção de aldeias lacustres. A aldeia lacustre com o alimento ao redor, infunde e aviva-lhes […]. Os brejos apesar de pejorativamente assinalados como “lugares insalubres” e muitas vezes negligenciados, são verdadeiras várzeas de floresta encharcada e cheia de vida presentes nos terrenos mais baixos sujeitos a variação de suas águas conforme a estação do ano.

A primeira grande Convenção sobre Zonas Úmidas de Importância Internacional aconteceu em 1971 na cidade de Ramsar, no Irã, atualmente mais conhecida como a Convenção de Ramsar. Do ponto de vista dos acordos globais firmados são consideradas áreas úmidas toda a extensão de pântanos, charcos e turfas, várzeas, rios, pantanais, estuários, manguezais e até os recifes de coral.

Desde sua adesão à Convenção, o Brasil promoveu a inclusão de vinte e sete Sítios Ramsar. Dentre estes apenas um está na Mata Atlântica do nosso litoral- a APA Cananéia Iguape, em Peruíbe, no sul de SP.

As áreas úmidas são ambientes de importância ecológica e ambiental. Abrigam as margens dos córregos e lagoas, as várzeas e leitos inundáveis de rios maiores, as áreas de recarga de aquíferos, as matas paludosas, os brejos e demais áreas úmidas.

Apresentam uma flora e fauna muito particular, atuam na recarga do lençol freático subterrâneo, contribuindo para manutenção dos estoques de água, melhoram a qualidade da água, controlam enchentes, e é claro regulam a temperatura e clima, que se torna mais ameno.

As áreas úmidas são ainda provedoras de serviços ambientais indispensáveis para a produção de alimentos e a sociedade como um todo.
Naquelas águas escuras, cor de chá mate, ricas em nutrientes pela decomposição da vegetação a sua volta uma intrincada rede de vida a habita, sejam plantas flutuantes, insetos aquáticos, pererecas, peixes sem dizer nas inúmeras aves e pequenos mamíferos visitantes. Assim, estudiosos apontam esses ambientes como áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade, devido principalmente a sua relevância socioambiental.

Nas áreas urbanas e periurbanas os brejos enquanto zonas úmidas sofrem as mais diversas pressões. Ainda que cientes da importância geoecológica e do valor social, econômico, cultural e científico de tais áreas úmidas, nas cidades a prática é que esses locais seguem negligenciados. A supressão de sua vegetação contribui para a redução da disponibilidade hídrica por evaporação. A contaminação silenciosa das águas subterrâneas preocupa e se agrava.

Área úmida entre o córrego Boavista contribuinte da lagoa de Itaipu, e o bairro de mesmo nome na região oceânica de Niterói RJ

A especulação imobiliária a vê como potencial área de aterro e expansão urbana. Soterrados, os brejos produzem calor da matéria orgânica sepultada e o ambiente se torna ainda mais quente. Ambientes de brejo não raro são pouco estudados, e sua rica biodiversidade corre o risco de ser perdida para sempre. Assim, nos centros urbanos os poucos fragmentos que ainda restam de brejos da região costeira devem ser áreas prioritárias a conservar.

Se fazem necessárias investigações e o estabelecimento de políticas públicas para gestão e conservação das áreas remanescentes das zonas úmidas ao longo da zona costeira no sudeste brasileiro, onde há maior pressão sobre os ambientes naturais. Ali sofrem o risco de desaparecer e uma vez drenado o brejo deixará em seu lugar uma terra árida, quente e sem vida.

Moções

Em 10 de junho de 2021 o Coletivo Córregos da Tiririca recebeu uma moção da Câmara de Vereadores de Niterói por seu trabalho na recuperação da vegetação na margem esquerda do Córrego dos Colibris.
Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

A terra que nos alimenta

Coluna da Luisa
Luisa é uma das criadoras do Coletivo Córrego da Tiririca. Ela nos brinda com suas considerações sobre diversos aspectos ligados direta ou indiretamente com nosso projeto.



Com o fim da pandemia, o percentual de pessoas que não tem acesso ao alimento tende a se ampliar.

Ao longo da era do desenvolvimentismo imposta nos anos 1940 do Século XX as pressões por ocupação do território no campo levaram a desestruturação da agricultura familiar, violentas lutas por terra e envenenamento por agrotóxicos.
Estamos agora no século XXI, mas todo o avanço tecnológico do século passado não foi capaz de acabar com a fome no planeta. Os direitos básicos das populações não foram contemplados, e nos grandes centros ocorreu uma perda acelerada das riquezas culturais e naturais que se formaram através dos tempos.
Uma moradora da região metropolitana de Petrolina, em Pernambuco, deixou um depoimento preocupante: Se o mercado ficou mais caro, o jeito é comer menos.

Todos nós temos o direito a alimentos frescos, nutritivos e adequados a nossa cultura. Alimentos produzidos de forma saudável, livre de veneno e fruto do trabalho digno do homem no campo.

Como solucionar os problemas ligados a segurança alimentar? Quais as soluções possíveis?

Fugindo das soluções assistencialistas, o fortalecimento da agricultura agroecológica com a produção de alimentos mais saudáveis, pode garantir a segurança alimentar e a saúde das populações humanas.

A terra possui valor social, constrói a essência do homem no trato com a natureza, para produzir alimentos e o bem viver. A sabedoria popular no campo é passada de geração para geração. É a macela do campo que embeleza com suas flores perenes. A arnica que cura o machucado. O genipapo que tinge.

O homem do campo tem o direito de escolher o que quer produzir, bem como gerir seu próprio sistema alimentar. Como princípios da produção alimentar estão o direito à preservação dos recursos naturais, produção de comida saudável, uso de técnicas e tecnologias da cultura camponesa, sistemas locais de produção.
Isso não significa um retorno ao passado, mas sim uma produção harmônica num campo mais sustentável. O desafio principal é estabelecer novas formas de produção que beneficiem a natureza (considerando pessoas e ambiente como natureza).

Dentro do que conhecemos como agroecologia, um sistema de plantio que restitui as pessoas que vivem do campo o valor de uso e a função social da terra é a Agricultura Sintrópica. Esse sistema de plantio mostra grande potencial para recuperação florestal, juntamente com o restabelecimento da fauna pela constante incorporação de matéria verde ao solo. Num sistema agroecológico a revitalização dos recursos hídricos acontece naturalmente, e nascentes secas voltam a jorrar água. A produção de alimentos vem em quantidade e qualidade.

O modelo de agricultura sintrópica é capaz de dignificar a vida do trabalhador, que passa a habitar um campo mais sustentável, livre de veneno. Recupera a íntima relação ser humano e mundo natural, respeitando os limites dos ecossistemas naturais e dos sistemas de plantio.

Por diversas razões a agricultura convencional tem conduzido a um ambiente inóspito e degradado. Mas a agricultura sintrópica vem como uma redenção. Uma metodologia capaz de restaurar os ambientes naturais, respeitando os ciclos da terra, simplesmente plantando alimento junto com a floresta.
E quem disse que a agricultura precisa ser grande? A agricultura familiar, do pequeno e médio agricultor, é a principal fonte do alimento que chega a mesa do brasileiro.

E na cidade?
Nas cidades as pessoas tem todos os produtos à mão e simplesmente vão a um mercado para comprar tudo o que necessitam. Um legado deixado pela comodidade foi deixarmos de usar os produtos que nossos avós usavam e adotarmos apenas aquilo que o Mercado nos oferece. Aprender como os nossos ancestrais se alimentavam pode nos ajudar a entender melhor o grave estado nutricional no qual se encontra a nossa sociedade atual.
Mas se nem é possível escolher, pois falta o recurso para prover, será que comer menos resolve? Não vai precisar. Mudar a vida é possível mesmo numa área urbana. Fazer o cultivo de alimentos como hortaliças, frutas e legumes é bem simples e acompanhar todo o seu processo de crescimento pode ser gratificante. Assim, hortas comunitárias podem minorar o problema da segurança alimentar na periferia das grandes cidades, promovendo a colaboração e fortalecendo as relações interpessoais. É o quintal de todos!
No momento atual nossa maior inovação é resolver problemas populacionais, cuidar uns dos outros, e as pessoas agirem de forma cooperativa.

Se a pandemia nos resgatou o sentido de solidariedade e de pertencimento comunitário, está na hora de sermos a mudança. A questão alimentar é uma questão que impacta não só o ambiente, mas todo o tecido social. A justiça social só será alcançada quando o equilíbrio ambiental acontecer. Da mesma forma, o equíbrio ambiental só virá com a justiça social. Pois quando se tem fome, como pensar no resto?

Uma floresta de comida

Coluna da Luisa
Luisa é uma das criadoras do Coletivo Córrego da Tiririca. Ela nos brinda com suas considerações sobre diversos aspectos ligados direta ou indiretamente com nosso projeto.



Uma floresta de comida – agricultura em sintropia com a paisagem

As vezes é confuso pensar em qual seria o modelo ideal para pensar no melhor jeito de se produzir o alimento. O jeito dos vegetais grandes e belos, sem nenhuma manchinha, esse é o certo? Será?

Hoje o cenário que temos é como se a natureza tivesse que “trabalhar” para a agricultura, resultando em solos cansados e exauridos. Uma agricultura que consome também muita água.

Vejam bem. A agricultura convencional é entrópica. A cada ciclo de cultivo o sistema perde energia, gerando entropia. Quanto mais se planta, mais insumo, adubo, corretivo se faz necessário para corrigir o solo.

A ideia da agricultura sintrópica é o inverso: é uma Agricultura de simbiose com a floresta. Qual a vantagem? Aumenta a atividade biológica. A natureza dá as condições e a agricultura é que deve ser “adaptada” para sobreviver naquele solo, naquele local.

O plantio sintrópico sai mais barato para o agricultor pois não precisa comprar adubo, corretivo ou veneno. Só precisa podar…

O próprio sistema gera sua própria energia, dispensando o uso de adubo, corretivos e veneno. A poda é o combustível da transformação no sistema sintrópico. Picar a matéria (galhos, madeira, folhas) e incorporar ao solo. Essa é a ideia.

E são nítidos os benefícios da agricultura sintrópica tanto para o meio ambiente quanto para o agricultor e a comunidade. Um deles é que não necessita tanta água como o sistema convencional, pois o solo fica protegido com uma manta de folhiço picado.

Estamos no início da estação chuvosa, que se estende de outubro a março na região sudeste do Brasil. Momento de plantar uma floresta de comida.

Na Mata Atlântica temos muitas possibilidades. Que tal plantar em sintropia? Se você vive no campo, pode aproveitar por exemplo a Serra do Mar, e no seu entorno sair plantando do jeito sintrópico. Os polinizadores, as sementes, pássaros e outros seres a floresta circundante já tem e te dá de presente. Quem vive em comunidade na periferia dos grandes centros uma horta comunitária pode ser um importante ingrediente, reduzindo a desigualdade social, contribuindo para a segurança alimentar.

Se você está na cidade, que tal trabalhar de forma coletiva? Plantar uma praça em frente ao seu prédio em sintropia. Além de visualmente mais bonita e agradável, a vizinhança vai ficar mais fresquinha com árvores, vegetais e flores. Imagine que legal tomar um suco da acerola quando você acompanha a planta frutificar da varanda do seu apartamento. Ou se está frio, colher umas folhas de capim limão e preparar um chá relaxante? São muitas possibilidades. E o melhor: a sintrópica precisa de muita gente para dar certo. Vamos?

Papo de Jardim XII

Devido ao isolamento físico, em função do Convid 19, criamos este encontro virtual (Papo de Jardim), usando a plataforma zoom, para falarmos sobre agroecologia.

Os ninhos são a base da recuperação vegetal que estamos fazendo no Córrego da Tiririca. Até que as árvores maiores, que vão proteger o córrego se desenvolvam, fazemos trabalhos de manutenção e plantio de espécies de menor porte. Na Agricultura sintrópica a densidade e variedade de espécies são fatores fundamentais pois permitem que elas cooperem entre si para o sucesso de todas.

Nosso décimo primeiro encontro foi na sexta-feira dia 03 de julho de 2020

Vídeos assistidos no encontro: