A carniça

Print Friendly, PDF & Email

A carniça (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Álvaro Reis

Lembras-te, amor, do que nessa manhã tão bela,
Vimos à volta de uma estrada?
– Uma horrenda carniça, oh que visão aquela!
Aos pedregulhos atirada:

Com as pernas para o ar, qual mulher impudente
Tressuando vícios e paixões,
Abria de maneira afrontosa e indolente
O ventre todo exalações;

Radiante, cozinhava o sol essa impureza,
A fim de tendo o ponto dado,
Cem vezes restituir à grande Natureza
Quanto ela havia ali juntado.

E contemplava o céu a carcaça ostentosa,
Como uma flor a se entreabir!
E o fétido era tal que estivestes nauseosa,
Quase em desmaios a cair.

Zumbiam moscas mil sobre esse ventre podre
De onde os enxames vinham, grossos
De larvas, a escorrer como azeite de um odre,
Ao longo de tantos destroços.

E tudo isso descia e subia em veemência
Ou se lançava a fervilhar…
Dir-se-ia que esse corpo a uma vaga influência
Vivia a se multiplicar!

– Era um mundo a vibrar sons de música estranha,
Bem como o vento e a água em carreira
Ou o som que faz o grão que o joeirador apanha
E agita e roda na joeira;

E tudo a se apagar mais que um sonho não era,
– Esboço lento a aparecer
Sobre a tela esquecida, e que um artista espera
Só, de memória, refazer;

De uns rochedos, por trás, uma cadela quieta,
Com desgostoso olhar nos via,
Espiando a ocasião de retomar, à infecta
Ossada, o que deixado havia;

– E no entanto hás de ser igual a essa imundícia,
A essa horripilante infecção,
Astro dos olhos meus, céu da minha delícia,
Tu, meu anjo e minha paixão!

Assim tu hás de ser, oh! Rainha das Graças!
Quando depois da extrema-unção
Fores apodrecer sob a erva e as flores baças,
Entre as ossadas, pelo chão!

……………………………………………………………..

Dize então, lindo amor, à larva libertina
Que há de beijar-te em lentos gostos,
Que eu a forma guardei, mais a essência divina,
Dos meus amores descompostos!

Publicações relacionadas

P.M.S.L. P.M.S.L. (Ferreira Gullar) Impossivel é não odiar estas manhãs sem teto e...
Quando olho para mim não me pe... Quando olho para mim não me percebo (Álvaro de Campos) Quando olho para mim n...
Morte de Antoninho, o Cambório... Morte de Antoninho, o Cambório (Federico Garcia Lorca) ...
A João de Deus A João de Deus (Antero de Quental) Na mão de Deus, na sua mão direita, Desca...

Deixe uma resposta