Álvaro de Campos

Print Friendly, PDF & Email
Álvaro de Campos (1889-1935)


POEMAS PUBLICADOS

BIOGRAFIA:

Um dos heterônimos de Fernando Pessoa
Engenheiro naval “franzino e civilizado”, o mais fecundo e versátil heterônimo de Fernando Pessoa, é também o mais nervoso e emotivo, que por vezes vai até à histeria. Com algumas composições iniciais que algo devem ao Decadentismo, Álvaro de Campos é, sobretudo, o futurista da exaltação da energia , da velocidade e da força da civilização mecânica do futuro, patentes na “Ode Triunfal”. É o sensacionalista que pretende “sentir tudo de todas as maneiras”, ultrapassar a fragmentaridade numa “histeria de sensações”.

Apresentado por Batista de Lima :

“Três tipos de idealistas e eu nenhum deles.”

Álvaro de Campos nasceu em 15 de outubro de 1889. Engenheiro, inquieto e sensacionista, representa a parte mais audaciosa a que Pessoa se permitiu, através das experiências mais barulhentas do futurismo português, inclusive com algumas investidas no campo da ação político-social.

Para tanto, fez a adoção do cotidiano através do versilibrismo, integrando-se à civilização da máquina com o dinamismo e a inquietude do pós-guerra (la guerra). Essa atitude comprova a sua consciência moderna do fazer artístico, preocupada com o existencial, e, principalmente, com o aproveitamento do que é possível de se extrair da emoção.

A trajetória poética de Álvaro de Campos está compreendida em três fases. A primeira, da morbidez e do torpor, é a fase do “Opiário”, oferecido a Mário de Sá-Carneiro e escrito enquanto navegava pelo Canal do Suez, em março de 1914. A segunda fase, mais mecanicista e Whitmaniana, é onde o Futurismo italiano mais transparece num aclimatamento em terras de Portugal. Nessa fase, Campos seria,
“Um Whitman com um poeta grego dentro.
Pois Pessoa o coloca numa dupla seqüência:
a de uma arte orientada pelo ideal grego
e a dos cantores de hinos a civilização moderna
e sensações por ela provocadas.”

É nessa fase onde a sensação é mais intelectualizada. A terceira fase, do sono e do cansaço, aquela que, apesar de trazer alguma coloração surrealista e dionisíaca, é mais moderna e equilibrada se apresenta. É nessa fase em que se enquadram: “Lisbon Revisited” (l923), “Apontamento”, “Poema em Linha Reta” e “Aniversário”, que trazem, respectivamente, como características, o inconformismo, a consciência da fragilidade humana, o desprezo ao suposto mito do heroísmo e o enternecimento memorialista.

O que se constata, finalmente, é que Álvaro de Campos, a despeito de intelectualizar as sensações e apresentar laivos surrealistas, é a personalidade pessoana que mais se aproximou de uma poesia realista, e, também, quem mais foi marcado pelos caracteres da modernidade.

Publicações relacionadas

Mário de Sá Carneiro Mário de Sá Carneiro (1890-1916) POEMAS PUBLICADOS BIOGRAFIA...
Começa a ir ser dia Começa a ir ser dia (Fernando Pessoa) Começa a ir ser dia, O céu negro come...
Ao longe, ao luar Ao longe, ao luar (Fernando Pessoa) Ao longe, ao luar, No rio uma vela, S...
Cora Coralina Cora Coralina (1889-1985) POEMAS PUBLICADOS BIOGRAFIA: Co...

Deixe uma resposta