Álvaro de Campos

Print Friendly, PDF & Email
Álvaro de Campos (1889-1935)


POEMAS PUBLICADOS

BIOGRAFIA:

Um dos heterônimos de Fernando Pessoa
Engenheiro naval “franzino e civilizado”, o mais fecundo e versátil heterônimo de Fernando Pessoa, é também o mais nervoso e emotivo, que por vezes vai até à histeria. Com algumas composições iniciais que algo devem ao Decadentismo, Álvaro de Campos é, sobretudo, o futurista da exaltação da energia , da velocidade e da força da civilização mecânica do futuro, patentes na “Ode Triunfal”. É o sensacionalista que pretende “sentir tudo de todas as maneiras”, ultrapassar a fragmentaridade numa “histeria de sensações”.

Apresentado por Batista de Lima :

“Três tipos de idealistas e eu nenhum deles.”

Álvaro de Campos nasceu em 15 de outubro de 1889. Engenheiro, inquieto e sensacionista, representa a parte mais audaciosa a que Pessoa se permitiu, através das experiências mais barulhentas do futurismo português, inclusive com algumas investidas no campo da ação político-social.

Para tanto, fez a adoção do cotidiano através do versilibrismo, integrando-se à civilização da máquina com o dinamismo e a inquietude do pós-guerra (la guerra). Essa atitude comprova a sua consciência moderna do fazer artístico, preocupada com o existencial, e, principalmente, com o aproveitamento do que é possível de se extrair da emoção.

A trajetória poética de Álvaro de Campos está compreendida em três fases. A primeira, da morbidez e do torpor, é a fase do “Opiário”, oferecido a Mário de Sá-Carneiro e escrito enquanto navegava pelo Canal do Suez, em março de 1914. A segunda fase, mais mecanicista e Whitmaniana, é onde o Futurismo italiano mais transparece num aclimatamento em terras de Portugal. Nessa fase, Campos seria,
“Um Whitman com um poeta grego dentro.
Pois Pessoa o coloca numa dupla seqüência:
a de uma arte orientada pelo ideal grego
e a dos cantores de hinos a civilização moderna
e sensações por ela provocadas.”

É nessa fase onde a sensação é mais intelectualizada. A terceira fase, do sono e do cansaço, aquela que, apesar de trazer alguma coloração surrealista e dionisíaca, é mais moderna e equilibrada se apresenta. É nessa fase em que se enquadram: “Lisbon Revisited” (l923), “Apontamento”, “Poema em Linha Reta” e “Aniversário”, que trazem, respectivamente, como características, o inconformismo, a consciência da fragilidade humana, o desprezo ao suposto mito do heroísmo e o enternecimento memorialista.

O que se constata, finalmente, é que Álvaro de Campos, a despeito de intelectualizar as sensações e apresentar laivos surrealistas, é a personalidade pessoana que mais se aproximou de uma poesia realista, e, também, quem mais foi marcado pelos caracteres da modernidade.

Publicações relacionadas

Navegadores Portugueses Navegar não é privilégio de nós, internautas. No...
José Martí José Martí (1853-1895) Patriota e escritor cubano, apóstolo da independênci...
As horas pela alameda As horas pela alameda (Fernando Pessoa) As horas pela alameda Arrastam ve...
A minha vida é um barco abando... A minha vida é um barco abandonado (Fernando Pessoa) A minha vida é um barco...

Deixe uma resposta