Hoje de Manhã

Print Friendly, PDF & Email

Hoje de Manhã (Alberto Caeiro)

Hoje de manhã saí muito cedo,
Por ter acordado ainda mais cedo
E não ter nada que quisesse fazer…
Não sabia por caminho tomar
Mas o vento soprava forte, varria para um lado,
E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas.

Assim tem sido sempre a minha vida, e
assim quero que possa ser sempre —
Vou onde o vento me leva e não me
Sinto pensar.

Publicações relacionadas

Um pai-nosso latino-americano Um pai-nosso latino-americano (Mario Benedetti) ...
Decadência Decadência (Augusto dos Anjos) Iguais às linhas perpendiculares Caíram, como...
Das utopias Das utopias (Mário Quintana) Se as coisas são inatingíveis... ora! não é m...
O relógio O relógio (João Cabral de Melo Neto) 1. Ao redor da vida do h...

Deixe uma resposta