Gozo os Campos

Print Friendly, PDF & Email

Gozo os Campos (Alberto Caeiro)

Gozo os campos sem reparar para eles.
Perguntas-me por que os gozo.
Porque os gozo, respondo.
Gozar uma flor é estar ao pé dela inconscientemente
E ter uma noção do seu perfume nas nossas idéias mais apagadas.
Quando reparo, não gozo: vejo.
Fecho os olhos, e o meu corpo, que está entre a erva,
Pertence inteiramente ao exterior de quem fecha os olhos
À dureza fresca da terra cheirosa e irregular;
E alguma cousa dos ruídos indistintos das cousas a existir,
E só uma sombra encarnada de luz me carrega levemente nas órbitas,
E só um resto de vida ouve.

Publicações relacionadas

Sinfonias do ocaso Sinfonias do ocaso (Augusto dos Anjos) Musselinosas como brumas diurnas ...
Trindade Trindade (Álvares de Azevedo) A vida é uma planta misteriosa Cheia d’espinho...
Fim Fim (Mário de Sá Carneiro) Quando eu morrer batam em latas, Rompam aos salto...
Apocalipse Apocalipse (Augusto dos Anjos) Minha divinatória Arte ultrapassa os séculos ...

Deixe uma resposta