Monja

Print Friendly, PDF & Email

Monja (Cruz e Souza)

Ó Lua, Lua triste, amargurada,
Fantasma de brancuras vaporosas,
A tua nívea luz ciliciada
Faz murchecer e congelar as rosas.

Nas flóridas searas ondulosas,
Cuja folhagem brilha fosforeada,
Passam sombras angélicas, nivosas,
Lua, Monja da cela constelada.

Filtros dormentes dão aos lagos quietos,
Ao mar, ao campo, os sonhos mais secretos,
Que vão pelo ar, noctâmbulos, pairando…

Então, ó Monja branca dos espaços,
Parece que abres para mim os braços,
Fria, de joelhos, trêmula, rezando…

Publicações relacionadas

Poemas Neoconcretos I Poemas Neoconcretos I - um fragmento: "Velocidades" (Ferreira Gullar) mar azu...
La poesia La poesia (Octavio Paz) Llegas, silenciosa, secreta, y despiertas los furor...
As atas do rancor As atas do rancor (Mario Benedetti) Do livro...
Ao Entardecer Ao Entardecer (Alberto Caeiro) De O...

Deixe uma resposta