Monja

Print Friendly, PDF & Email

Monja (Cruz e Souza)

Ó Lua, Lua triste, amargurada,
Fantasma de brancuras vaporosas,
A tua nívea luz ciliciada
Faz murchecer e congelar as rosas.

Nas flóridas searas ondulosas,
Cuja folhagem brilha fosforeada,
Passam sombras angélicas, nivosas,
Lua, Monja da cela constelada.

Filtros dormentes dão aos lagos quietos,
Ao mar, ao campo, os sonhos mais secretos,
Que vão pelo ar, noctâmbulos, pairando…

Então, ó Monja branca dos espaços,
Parece que abres para mim os braços,
Fria, de joelhos, trêmula, rezando…

Publicações relacionadas

Angústia Angústia (Graciliano Ramos) "Lá estão novamente gritando os meus desejos. C...
A uma senhora que me pediu ver... A uma senhora que me pediu versos(Machado de Assis) Pensa em ti mesma, acha...
Demogorgon Demogorgon (Álvaro de Campos) Na rua cheia de sol vago há casas paradas e gen...
A beleza A beleza (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Guilherme de Almeida Sou...

Deixe uma resposta