Monja

Print Friendly, PDF & Email

Monja (Cruz e Souza)

Ó Lua, Lua triste, amargurada,
Fantasma de brancuras vaporosas,
A tua nívea luz ciliciada
Faz murchecer e congelar as rosas.

Nas flóridas searas ondulosas,
Cuja folhagem brilha fosforeada,
Passam sombras angélicas, nivosas,
Lua, Monja da cela constelada.

Filtros dormentes dão aos lagos quietos,
Ao mar, ao campo, os sonhos mais secretos,
Que vão pelo ar, noctâmbulos, pairando…

Então, ó Monja branca dos espaços,
Parece que abres para mim os braços,
Fria, de joelhos, trêmula, rezando…

Publicações relacionadas

Precursores Precursores (Walt Whitman) Como são eles colocados sobre a terra (surgindo a...
Los Ojos Los Ojos (Antonio Machado) Cuando murió su amada pensó en hacerse viejo e...
El viajero El viajero (Antonio Machado) Está en la sala familiar, sombría, y entre nos...
Depois da Orgia Depois da Orgia (Augusto dos Anjos) O prazer que na orgia a hetaíra goza Pro...

Deixe uma resposta