Abandonada

Abandonada (Augusto dos Anjos)

Ao meu irmão Odilon dos Anjos

Bem depressa sumiu-se a vaporosa
Nuvem de amores, de ilusões tão bela;
O brilho se apagou daquela estrela
Que a vida lhe tornava venturosa!

Sombras que passam, sombras cor-de-rosa
– Todas se foram num festivo bando,
Fugazes sonhos, gárrulos voando
– Resta somente um’alma tristurosa!

Coitada! o gozo lhe fugiu correndo,
Hoje ela habita a erma soledade,
Em que vive e em que aos poucos vai morrendo!

Seu rosto triste, seu olhar magoado,
Fazem lembrar em noute de saudade
A luz mortiça d’um olhar nublado.

Publicações relacionadas

Canto de Onipotência Canto de Onipotência (Augusto dos Anjos) Cloto, Átropos, Tifon, Laquesis, Siv...
As Cismas do Destino As Cismas do Destino (Augusto dos Anjos) I Recife. Ponte Buarque de Macedo...
Aurora morta, foge! Soneto (Aurora morta, foge!) (Augusto dos Anjos) Soneto Aurora morta, foge...
A Louca A Louca (Augusto dos Anjos) A Dias Paredes Quando ela passa: - a veste des...

Deixe uma resposta