Abandonada

Print Friendly, PDF & Email

Abandonada (Augusto dos Anjos)

Ao meu irmão Odilon dos Anjos

Bem depressa sumiu-se a vaporosa
Nuvem de amores, de ilusões tão bela;
O brilho se apagou daquela estrela
Que a vida lhe tornava venturosa!

Sombras que passam, sombras cor-de-rosa
– Todas se foram num festivo bando,
Fugazes sonhos, gárrulos voando
– Resta somente um’alma tristurosa!

Coitada! o gozo lhe fugiu correndo,
Hoje ela habita a erma soledade,
Em que vive e em que aos poucos vai morrendo!

Seu rosto triste, seu olhar magoado,
Fazem lembrar em noute de saudade
A luz mortiça d’um olhar nublado.

Publicações relacionadas

Num Meio-Dia de Fim de Primave... Num Meio-Dia de Fim de Primavera (Alberto Caeiro) ...
Assim, sem nada feito e o por ... Assim, sem nada feito e o por fazer (Fernando Pessoa) Assim, sem nada feito e...
Mater Mater (Augusto dos Anjos) Como a crisálida emergindo do ovo Para que o campo...
Mater Originalis Mater Originalis (Augusto dos Anjos) Forma vermicular desconhecida Que estac...

Deixe uma resposta