Abandonada

Print Friendly, PDF & Email

Abandonada (Augusto dos Anjos)

Ao meu irmão Odilon dos Anjos

Bem depressa sumiu-se a vaporosa
Nuvem de amores, de ilusões tão bela;
O brilho se apagou daquela estrela
Que a vida lhe tornava venturosa!

Sombras que passam, sombras cor-de-rosa
– Todas se foram num festivo bando,
Fugazes sonhos, gárrulos voando
– Resta somente um’alma tristurosa!

Coitada! o gozo lhe fugiu correndo,
Hoje ela habita a erma soledade,
Em que vive e em que aos poucos vai morrendo!

Seu rosto triste, seu olhar magoado,
Fazem lembrar em noute de saudade
A luz mortiça d’um olhar nublado.

Publicações relacionadas

La Lluvia La Lluvia (Jorge Luis Borges) Bruscamente la tarde se ha aclarado Porque ya...
La Saeta La Saeta (Antonio Machado) ¿Quién me presta una escalera, (Quem me empres...
Cartas de meu avô Cartas de meu avô (Manuel Bandeira) A tarde cai, por demais Erma, úmida e si...
Cantares… Cantares... (Antonio Machado) Todo pasa y todo queda, pero lo nuestro es pas...

Deixe uma resposta