A Um Mascarado

Print Friendly, PDF & Email

A Um Mascarado (Augusto dos Anjos)

Rasga esta máscara ótima de seda
E atira-a à arca ancestral dos palimpsestos…
É noite, e, à noite, a escândalos e incestos
É natural que o instinto humano aceda!

Sem que te arranquem da garganta queda
A interjeição danada dos protestos,
Hás de engolir, igual a um porco, os restos
Duma comida horrivelmente azeda!

A sucessão de hebdômadas medonhas
Reduzirá os mundos que tu sonhas
Ao microcosmos do ovo primitivo…

E tu mesmo, após a árdua e atra refrega,
Terá somente uma vontade cega
E uma tendência obscura de ser vivo!

Publicações relacionadas

Tempo sem tempo Tempo sem tempo (Mario Benedetti) Do livro "I...
Todos os Dias Todos os Dias (Alberto Caeiro) Todos os dias agora acordo com alegria e ...
Súplica Súplica (Florbela Espanca) Olha pra mim, amor, olha pra mim; Meus olhos anda...
Idílio Idílio (Antero de Quental) de So...

Deixe uma resposta