A Um Mascarado

Print Friendly, PDF & Email

A Um Mascarado (Augusto dos Anjos)

Rasga esta máscara ótima de seda
E atira-a à arca ancestral dos palimpsestos…
É noite, e, à noite, a escândalos e incestos
É natural que o instinto humano aceda!

Sem que te arranquem da garganta queda
A interjeição danada dos protestos,
Hás de engolir, igual a um porco, os restos
Duma comida horrivelmente azeda!

A sucessão de hebdômadas medonhas
Reduzirá os mundos que tu sonhas
Ao microcosmos do ovo primitivo…

E tu mesmo, após a árdua e atra refrega,
Terá somente uma vontade cega
E uma tendência obscura de ser vivo!

Publicações relacionadas

Filho da Floresta, Água e Made... Filho da Floresta, Água e Madeira (Thiago de Mello Filho da floresta, água...
Cantiga do Neno da Tenda Cantiga do Neno da Tenda (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (1935) ...
No meu Prato No meu Prato (Alberto Caeiro) De O ...
Meto-me para Dentro Meto-me para Dentro (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta