No meu peito arde em chamas abrasada

Print Friendly, PDF & Email

No meu peito arde em chamas abrasada (Augusto dos Anjos)

Soneto

No meu peito arde em chamas abrasada
A pira da vingança reprimida,
E em centelhas de raiva ensurdecida
A vingança suprema e concentrada.

E espuma e ruge a cólera entranhada,
Como no mar a vaga embravecida
Vai bater-se na rocha empedernida,
Espumando e rugindo em marulhada.

Mas se das minhas dores ao calvário,
Eu subo na atitude dolorida
De um Cristo a redimir um mundo vário,

Em luta co’a natura sempiterna,
Já que do mundo não vinguei-me em vida,
A morte me será vingança eterna.

Publicações relacionadas

Ironia de lágrimas Ironia de lágrimas (Cruz e Souza) Junto da Morte é que floresce a Vida! Anda...
Canção da mais alta torre Canção da mais alta torre (Arthur Rimbaud) Tradução de...
Inviation au Voyage Inviation au Voyage (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Felipe D’Olivei...
Os sofrimentos do jovem Werthe... Os sofrimentos do jovem Werther (1774) - resumo (Johann Wofgang von Goethe) O...

Deixe uma resposta