No meu peito arde em chamas abrasada

Print Friendly, PDF & Email

No meu peito arde em chamas abrasada (Augusto dos Anjos)

Soneto

No meu peito arde em chamas abrasada
A pira da vingança reprimida,
E em centelhas de raiva ensurdecida
A vingança suprema e concentrada.

E espuma e ruge a cólera entranhada,
Como no mar a vaga embravecida
Vai bater-se na rocha empedernida,
Espumando e rugindo em marulhada.

Mas se das minhas dores ao calvário,
Eu subo na atitude dolorida
De um Cristo a redimir um mundo vário,

Em luta co’a natura sempiterna,
Já que do mundo não vinguei-me em vida,
A morte me será vingança eterna.

Publicações relacionadas

Se Eu Pudesse Se Eu Pudesse (Alberto Caeiro) De O...
Ninguém me Habita Ninguém me Habita (Thiago de Mello Ninguém me habita. A não ser o milagre d...
Seja o que For Seja o que For (Alberto Caeiro) Seja o que for que esteja no centro do Mun...
Elogio do Revolucionário Elogio do Revolucionário (Bertold Brecht) Quando aumenta a repressão, muitos ...

Deixe uma resposta