No meu peito arde em chamas abrasada

Print Friendly, PDF & Email

No meu peito arde em chamas abrasada (Augusto dos Anjos)

Soneto

No meu peito arde em chamas abrasada
A pira da vingança reprimida,
E em centelhas de raiva ensurdecida
A vingança suprema e concentrada.

E espuma e ruge a cólera entranhada,
Como no mar a vaga embravecida
Vai bater-se na rocha empedernida,
Espumando e rugindo em marulhada.

Mas se das minhas dores ao calvário,
Eu subo na atitude dolorida
De um Cristo a redimir um mundo vário,

Em luta co’a natura sempiterna,
Já que do mundo não vinguei-me em vida,
A morte me será vingança eterna.

Publicações relacionadas

Os Pastores de Virgílio Os Pastores de Virgílio (Alberto Caeiro) ...
Sonhos Sonhos (Florbela Espanca) Ter um sonho, um sonho lindo, Noite branda de luar...
Alturas de Macchu Picchu Alturas de Macchu Picchu (Pablo Neruda) Del aire al aire, como una red vacía,...
Vaidade Vaidade (Florbela Espanca) A um grande poeta de Portugal Sonho que sou ...

Deixe uma resposta