A Neve

Print Friendly, PDF & Email

A Neve (Alberto Caeiro)

A neve pôs uma toalha calada sobre tudo.
Não se sente senão o que se passa dentro de casa.
Embrulho-me num cobertor e não penso sequer em pensar.
Sinto um gozo de animal e vagamente penso,
E adormeço sem menos utilidade que todas as ações do mundo.

Publicações relacionadas

El Suicida El Suicida (Jorge Luis Borges) No quedará en la noche una estrella. No qued...
O Coveiro O Coveiro (Augusto dos Anjos) Uma tarde de abril suave e pura Visitava eu ...
Suave Mari Magno Suave Mari Magno(Machado de Assis) Lembra-me que, em certo dia, Na rua, a...
Horas vivas Horas vivas (Machado de Assis) Noite: abrem-se as flores . . . Que esplend...

Deixe uma resposta