A Noite Desce

Print Friendly, PDF & Email

A Noite Desce (Alberto Caeiro)

A noite desce, o calor soçobra um pouco,
Estou lúcido como se nunca tivesse pensado
E tivesse raiz, ligação direta com a terra
Não esta espécie de ligação de sentido secundário observado à noite.
À noite quando me separo das cousas,
E m’aproximo das estrelas ou constelações distantes —
Erro: porque o distante não é o próximo,
E aproximá-lo é enganar-me.

Ah! Querem uma Luz
Ah! querem uma luz melhor que a do Sol!
Querem prados mais verdes do que estes!
Querem flores mais belas do que estas que vejo!
A mim este Sol, estes prados, estas flores contentam-me.

Mas, se acaso me descontentam,
O que quero é um sol mais sol que o Sol,
O que quero é prados mais prados que estes prados,
O que quero é flores mais estas flores que estas flores —
Tudo mais ideal do que é do mesmo modo e da mesma maneira!.

Publicações relacionadas

Plenilúnio Plenilúnio (Augusto dos Anjos) Desmaia o plenilúnio. A gaze pálida Que lhe ...
Visio Visio (Machado de Assis) Eras pálida. E os cabelos, Aéreos, soltos novel...
Arte de Amar Arte de Amar (Thiago de Mello Não faço poemas como quem chora, nem faço ver...
O palácio da ventura O palácio da ventura (Antero de Quental) ...

Deixe uma resposta