A Noite Desce

Print Friendly, PDF & Email

A Noite Desce (Alberto Caeiro)

A noite desce, o calor soçobra um pouco,
Estou lúcido como se nunca tivesse pensado
E tivesse raiz, ligação direta com a terra
Não esta espécie de ligação de sentido secundário observado à noite.
À noite quando me separo das cousas,
E m’aproximo das estrelas ou constelações distantes —
Erro: porque o distante não é o próximo,
E aproximá-lo é enganar-me.

Ah! Querem uma Luz
Ah! querem uma luz melhor que a do Sol!
Querem prados mais verdes do que estes!
Querem flores mais belas do que estas que vejo!
A mim este Sol, estes prados, estas flores contentam-me.

Mas, se acaso me descontentam,
O que quero é um sol mais sol que o Sol,
O que quero é prados mais prados que estes prados,
O que quero é flores mais estas flores que estas flores —
Tudo mais ideal do que é do mesmo modo e da mesma maneira!.

Publicações relacionadas

Assim como falham as palavras Assim como falham as palavras (Alberto Caeiro) Assim como falham as palavr...
Sou um Guardador de Rebanhos Sou um Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro) ...
Murmúrio Murmúrio (Cecília Meireles) Traze-me um pouco das sombras serenas que as nu...
Manhã de embriaguez Manhã de embriaguez (Arthur Rimbaud) Ó meu Bem! Ó meu Belo! Fanfarra atroz em...

Deixe uma resposta