Vox Victiae

Print Friendly, PDF & Email

Vox Victiae (Augusto dos Anjos)

Morto! Consciência quieta haja o assassino
Que me acabou, dando-me ao corpo vão
Esta volúpia de ficar no chão
Fruindo na tabidez sabor divino!

Espiando o meu cadáver resupino,
No mar da humana proliferação,
Outras cabeças aparecerão
Para compartilhar do meu destino!

Na festa genetlíaca do Nada,
Abraço-me com a terra atormentada
Em contubérnio convulsionador …

E ai! Como é boa esta volúpia obscura
Que une os ossos cansados da criatura
Ao corpo ubiqüitário do Criador!

Publicações relacionadas

Falas de Civilização Falas de Civilização (Alberto Caeiro) Falas de civilização, e de não dever s...
Yo voy soñando caminos Yo voy soñando caminos (Antonio Machado) Yo voy soñando caminos de la tarde...
Intimidade Intimidade (Mario Benedetti) Tradução Sonhamos juntos juntos despertamos ...
A praça estava cheia A praça estava cheia. (Augusto dos Anjos) Soneto A praça estava cheia. O c...

Deixe uma resposta