Vox Victiae

Print Friendly, PDF & Email

Vox Victiae (Augusto dos Anjos)

Morto! Consciência quieta haja o assassino
Que me acabou, dando-me ao corpo vão
Esta volúpia de ficar no chão
Fruindo na tabidez sabor divino!

Espiando o meu cadáver resupino,
No mar da humana proliferação,
Outras cabeças aparecerão
Para compartilhar do meu destino!

Na festa genetlíaca do Nada,
Abraço-me com a terra atormentada
Em contubérnio convulsionador …

E ai! Como é boa esta volúpia obscura
Que une os ossos cansados da criatura
Ao corpo ubiqüitário do Criador!

Publicações relacionadas

Trem de ferro Trem de ferro (Manuel Bandeira) Café com pão Café com pão Café com pão V...
Poema Sujo – um fragment... Poema Sujo - um fragmento: "Velocidades" (Ferreira Gullar) Mas na cidade havi...
Tecendo a Manhã Tecendo a Manhã (João Cabral de Melo Neto) A ...
Arte poética Arte poética (Mario Benedetti) Do livro "Per...

Deixe uma resposta