Arte poética

Print Friendly, PDF & Email

Arte poética (Paul Verlaine)

A Charles Morice

Antes de qualquer coisa, música
e, para isso, prefere o Ímpar
mais vago e mais solúvel no ar,
sem nada que pese ou que pouse.
E preciso também que não vás nunca
escolher tuas palavras em ambiguidade:
nada mais caro que a canção cinzenta
onde o Indeciso se junta ao Preciso.
São belos olhos atrás dos véus,
é o grande dia trêmulo de meio-dia,
é, através do céu morno de outono,
o azul desordenado das claras estrelas!
Porque nós ainda queremos o Matiz,
nada de Cor, nada a não ser o matiz!
Oh! O matiz único que liga
o sonho ao sonho e a flauta à trompa.
Foge para longe da Piada assassina,
do Espírito cruel e do Riso impuro
que fazem chorar os olhos do Azul
e todo esse alho de baixa cozinha!
Toma a eloquência e torce-lhe o pescoço!
Tu farás bem, já que começaste,
em tornar a rima um pouco razoável.
Se não a vigiarmos, até onde ela irá?
Oh! Quem dirá os malefícios da Rima?
Que criança surda ou que negro louco
nos forjou esta joia barata
que soa oca e falsa sob a lima?
Ainda e sempre, música!
Que teu verso seja um bom acontecimento
esparso no vento crispado da manhã
que vai florindo a hortelã e o timo…
E tudo o mais é só literatura.

Publicações relacionadas

Mágoas Mágoas (Augusto dos Anjos) Quando nasci, num mês de tantas flores, Todas mu...
Barrio sin luz Barrio sin luz (Pablo Neruda) ¿Se va la poesía de las cosas o no la puede c...
Tristes sucessos, casos lastim... Tristes sucessos, casos lastimosos (Gregório de Matos) Tristes sucessos, cas...
A dor A dor (Cruz e Souza) Torva Babel das lágrimas, dos gritos, Dos so...

Deixe uma resposta