Pardalzinho

Print Friendly, PDF & Email

Pardalzinho (Manuel Bandeira)

O pardalzinho nasceu
Livre. Quebraram-lhe a asa.
Sacha lhe deu uma casa,
Água, comida e carinhos.
Foram cuidados em vão:
A casa era uma prisão,
O pardalzinho morreu.
O corpo Sacha enterrou
No jardim; a alma, essa voou
Para o céu dos passarinhos!

Petrópolis, 10-3-1943

Publicações relacionadas

Num Dia de Verão Num Dia de Verão (Alberto Caeiro) D...
Se te queres matar Se te queres matar (Álvaro de Campos) Se te queres ma...
Hagamos un trato Hagamos un trato (Mario Benedetti) do livro ...
Que assim te afague… Que assim te afague... (Johann Wofgang von Goethe) Que assim te afague, ó meu...

Deixe uma resposta