Pardalzinho

Print Friendly, PDF & Email

Pardalzinho (Manuel Bandeira)

O pardalzinho nasceu
Livre. Quebraram-lhe a asa.
Sacha lhe deu uma casa,
Água, comida e carinhos.
Foram cuidados em vão:
A casa era uma prisão,
O pardalzinho morreu.
O corpo Sacha enterrou
No jardim; a alma, essa voou
Para o céu dos passarinhos!

Petrópolis, 10-3-1943

Publicações relacionadas

Um cinturão Um cinturão (Graciliano Ramos) As minhas primeiras relações com a justiça for...
La canción desesperada La canción desesperada (Pablo Neruda) Emerge tu recuerdo de la noche en que e...
Soneto da Fidelidade Soneto da Fidelidade (Vinicius de Moraes De tudo, ao meu amor serei atento ...
Poema de Sete Faces Poema de Sete Faces (Carlos Drummond de Andrade) Quando nasci, um anjo torto ...

Deixe uma resposta