Pardalzinho

Print Friendly, PDF & Email

Pardalzinho (Manuel Bandeira)

O pardalzinho nasceu
Livre. Quebraram-lhe a asa.
Sacha lhe deu uma casa,
Água, comida e carinhos.
Foram cuidados em vão:
A casa era uma prisão,
O pardalzinho morreu.
O corpo Sacha enterrou
No jardim; a alma, essa voou
Para o céu dos passarinhos!

Petrópolis, 10-3-1943

Publicações relacionadas

O Oceano O Oceano (George Gordon Byron) (Tradução de Castro Alves) Rola, Oceano pro...
La lámpara en la tierra La lámpara en la tierra (Pablo Neruda) Amor América (1400) Antes de la p...
Azul sobre amarelo, maravilha ... Azul sobre amarelo, maravilha e roxo (Adélia Prado) Desejo, como quem sente f...
Elegia ao primeiro amigo Elegia ao primeiro amigo (Vinicius de Moraes ( ... ) Serei delicado. Sou mu...

Deixe uma resposta