Pardalzinho

Print Friendly, PDF & Email

Pardalzinho (Manuel Bandeira)

O pardalzinho nasceu
Livre. Quebraram-lhe a asa.
Sacha lhe deu uma casa,
Água, comida e carinhos.
Foram cuidados em vão:
A casa era uma prisão,
O pardalzinho morreu.
O corpo Sacha enterrou
No jardim; a alma, essa voou
Para o céu dos passarinhos!

Petrópolis, 10-3-1943

Publicações relacionadas

Los hombres Los hombres (Pablo Neruda) Como la copa de la arcilla era la raza mineral, ...
O Mar, a Escada e o Homem O Mar, a Escada e o Homem (Augusto dos Anjos) O mar é triste como um cemitéri...
Alda Alda (Augusto dos Anjos) Alva, do alvor das límpidas geleiras, De...
No meio da noite No meio da noite (Adélia Prado) Acordei meu bem pra lhe contar meu sonho: se...

Deixe uma resposta