Pardalzinho

Print Friendly, PDF & Email

Pardalzinho (Manuel Bandeira)

O pardalzinho nasceu
Livre. Quebraram-lhe a asa.
Sacha lhe deu uma casa,
Água, comida e carinhos.
Foram cuidados em vão:
A casa era uma prisão,
O pardalzinho morreu.
O corpo Sacha enterrou
No jardim; a alma, essa voou
Para o céu dos passarinhos!

Petrópolis, 10-3-1943

Publicações relacionadas

Confesso eu sou poeta Confesso eu sou poeta (Paulo Leminski) parem eu confesso sou poeta ca...
A Espantosa Realidade das Cous... A Espantosa Realidade das Cousas (Alberto Caeiro) A espantosa realidade...
Sonho Branco Sonho Branco (Cruz e Souza) De linho e rosas brancas vais vestido, ...
Que falta nesta cidade? Verdad... Que falta nesta cidade? Verdade (Gregório de Matos) Que falta nesta cidade?....

Deixe uma resposta