Florbela Espanca

Florbela Espanca (1894-1930)
Florbela de Alma Conceição Espanca (1894-1930) nasceu em Vila Viçosa e faleceu em Matosinhos. Estudou em Évora, onde concluiu em 1917 o curso liceal, matriculando-se na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. É por essa altura que publica as suas primeiras poesias. Tendo casado várias vezes e tendo sido em todas elas infeliz, começou a consumir estupefacientes. Só depois da sua morte é que a poetiza viria a ser conhecida do grande público, tendo contribuído para isso a publicação de Charneca em Flor (1930) pelo professor italiano Guido Batelli. Das suas obras destacam-se: Livro de Mágoas (1919), Livro de Sóror Saudade (1923), Charneca em Flor (1930), Reliquae (1931), A Máscara do Destino (1931) e Dominó Negro (contos, 1931).

Na Enciclopédia Larousse, esta poetisa é definida como «parnasiana, de intenso acento erótico feminino, sem precedentes na Literatura Portuguesa. A sua obra lírica, iniciada em 1919, com o Livro das Mágoas, antecipa em seu meio a emancipação literária da mulher»

Publicações relacionadas

Samba – canção Samba - canção (Ana Cristina Cesar) Tantos poemas que perdi. Tantos que ouvi...
Canto de Onipotência Canto de Onipotência (Augusto dos Anjos) Cloto, Átropos, Tifon, Laquesis, Siv...
Ao meu primeiro filho…  Ao meu primeiro filho... (Augusto dos Anjos) Ao meu primeiro filho... (Sonet...
A Nau A Nau (Augusto dos Anjos) A Heitor Lima Sôfrega, alçando o hirto esporão g...

Deixe uma resposta