O albatroz

Print Friendly, PDF & Email

O albatroz (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Guilherme de Almeida

As vezes, por prazer, os homens de equipagem
Pegam um albatroz, enorme ave marinha,
Que segue, companheiro indolente de viagem,
O navio que sobre os abismos caminha

Mal o põem no convés por sobre as pranchas rasas,
Esse senhor do azul, sem jeito e envergonhado,
Deixa doridamente as grandes e alvas asas
Como remos cair e arrastar-se a seu lado.

Que sem graça é o viajor alado sem seu nimbo!
Ave tão bela, como está cômica e feia!
Um o irrita chegando ao seu bico um cachimbo,
Outro põe-se a imitar o enfermo que coxeia!

O Poeta é semelhante ao príncipe da altura
Que busca a tempestade e ri da flecha no ar;
Exilado no chão, em meio a corja impura,
As asas de gigante impedem-no de andar.

Publicações relacionadas

Nada, esta espuma Nada, esta espuma (Ana Cristina Cesar) Por afrontamento do desejo insisto n...
Tres recuerdos del cielo Tres recuerdos del cielo (Rafael Alberti) H...
Garabato Garabato (Octavio Paz) Con un trozo de carbon Con mi gis roto y mi lapiz ...
Galope Galope (Rafael Alberti) Las tierras, las tierras, las tierras de España, la...

Deixe uma resposta