Círculo vicioso

Print Friendly, PDF & Email

Círculo vicioso (Machado de Assis)

Bailando no ar, gemia inquieto vagalume:
“Quem me dera que eu fosse aquela loira estrela
Que arde no eterno azul, como uma eterna vela!”
Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:

“Pudesse eu copiar-te o transparente lume,
Que, da grega coluna à gótica janela,
Contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela”
Mas a lua, fitando o sol com azedume:

“Mísera! Tivesse eu aquela enorme, aquela
Claridade imortal, que toda a luz resume”!
Mas o sol, inclinando a rútila capela:

Pesa-me esta brilhante auréola de nume…
Enfara-me esta luz e desmedida umbela…
Por que não nasci eu um simples vagalume?”…

Publicações relacionadas

Carta ao Acaso Carta ao Acaso (Paulo Leminski) a carta do baralho grande gilete corta sem ...
A peste A peste (Augusto dos Anjos) Filha da raiva de Jeová - a Peste N’um insano ce...
Insânia Insânia (Augusto dos Anjos) No mundo vago das idealidades Afundei minha louc...
En coulliure En coulliure (Antonio Machado) Soplaban vientos del sur y el hombre emprendi...

Deixe uma resposta