Tristezas da lua

Print Friendly, PDF & Email

Tristezas da lua (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Martins Fontes

Hoje, a lua, a sonhar, mais pálida e mais fria
Tem, reclinada sobre os coxins siderais,
O langor feminil de quem acaricia,
Antes de adormecer, os seios virginais.

Sobre o fofo cetim das nuvens, desmaiada,
Nos céus, passeando o olhar, vê surgirem visões,
Que argenteas, no palor da noite, iluminada,
Ascendem para o azul, como alvas florações.

Quando, ás vezes, na terra, amorosa e discreta,
Ela deixa cair uma gota de opala,
Uma lágrima irial, de tons de catassol,

Sobre a concha da mão, notâmbulo poeta
Toma-a, para, furtiva, ir piedoso guardá-la
Dentro do coração, escondendo-a do sol.

Publicações relacionadas

Animais Animais (Walt Whitman) Penso que poderia desviar-me e viver com os animais, s...
Não Necessito De Pedra Tumular... Não Necessito De Pedra Tumular (Bertold Brecht) Não necessito de pedra tumula...
Oração Oração (Charles Pierre Baudelaire) T...
Cantares… Cantares... (Antonio Machado) Todo pasa y todo queda, pero lo nuestro es pas...

Deixe uma resposta