Tristezas da lua

Print Friendly, PDF & Email

Tristezas da lua (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Martins Fontes

Hoje, a lua, a sonhar, mais pálida e mais fria
Tem, reclinada sobre os coxins siderais,
O langor feminil de quem acaricia,
Antes de adormecer, os seios virginais.

Sobre o fofo cetim das nuvens, desmaiada,
Nos céus, passeando o olhar, vê surgirem visões,
Que argenteas, no palor da noite, iluminada,
Ascendem para o azul, como alvas florações.

Quando, ás vezes, na terra, amorosa e discreta,
Ela deixa cair uma gota de opala,
Uma lágrima irial, de tons de catassol,

Sobre a concha da mão, notâmbulo poeta
Toma-a, para, furtiva, ir piedoso guardá-la
Dentro do coração, escondendo-a do sol.

Publicações relacionadas

Um Renque de Árvores Um Renque de Árvores (Alberto Caeiro) ...
Poética Poética (Federico Garcia Lorca) (Lo...
Monólogo de uma Sombra Monólogo de uma Sombra (Augusto dos Anjos) Sou uma Sombra! Venho de outras er...
Opiniones Opiniones (Juan Gelman) Do livro "Gotán" Un ...

Deixe uma resposta