Encontro de rua

Print Friendly, PDF & Email

Encontro de rua (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Paulo César Pimentel

A rua num tumulto em torno a mim gritava.
Alta, esguia, vestindo um luto majestosos,
Linda mulher passou que, num gesto gracioso,
A fímbria do vestido erguia e balançava;

O andar ligeiro e nobre, a perna escultural.
E eu sorvia, angustiado, em seus olhos sombrios,
Negro céu que produz os temporais bravios,
A doçura que encanta e o prazer que é fatal.

Um clarão… logo após a morna obscuridade!
– ó mulher cujo olhar me deu vida outra vez,
Não mais te encontrarei senão na eternidade?

Muito longe daqui! tarde! nunca talvez!
Pois não sei onde vais, tu de mim te perdeste,
Tu que eu teria amado e que me compreendeste!

Publicações relacionadas

Dança do ventre Dança do ventre (Cruz e Souza) Torva, febril, torcicolosamente, N...
A morte chega cedo A morte chega cedo (Fernando Pessoa) A morte chega cedo, Pois breve é toda ...
Nunca Mais! Nunca Mais! (Florbela Espanca) Ó castos sonhos meus! Ó mágicas visões! Quime...
Velho sobrado Velho sobrado (Cora Coralina) Um montão disforme. Taipas e pedras, abraçada...

Deixe uma resposta