Máximo Gorki

Máximo Gorki (1868-1936)
Máximo Gorki, pseudônimo do escritor russo Aléxey Maximovich Peshkov, nasceu a 28 de março de 1868 e morreu em 1936. Orfão desde cedo, foi criado pelos avós, dos quais trata em Infância (1913), primeiro de três livros autobiográficos.

Com nove anos, ganhava o próprio sustento, trabalhando em diversos ofícios e viajando por todo o país, o que lhe permitiu estudar. Mas, leitor voraz, tornou-se um autodidata e começou a escrever ficção, obtendo êxito com a publicação do conto Chelkash (1895) numa revista de São Petersburgo. Apesar de sua adesão à revolução bolchevista, Gorki não pode ser considerado um típico escritor proletário.É um remanescente do realismo do século XiX, especialmente destacado na pintura de retratos de personagens. Oficialmente, seu romance A Mãe (1907) é considerado o primeiro livro do realismo socialista. Antes dele publicara contos (Meu Companheiro de Viagem e Vinte e Seis Homens e Um Jovem), novelas e peças de teatro. Lançou ainda Reminiscência de Minha Juventude e Fragmentos de Meu Diário.
É uma característica da obra de Gorki o grande otimismo, o humanismo socialista ativo, que se traduz na fé do artista nas possibilidades infinitas do homem, na força do povo como criador de valores materiais e culturais.

Foi presidente da União dos Escritores Soviéticos (1934). Morreu em 1936 e sua morte ainda hoje está cercada de mistérios.

Publicações relacionadas

Madona da Tristeza Madona da Tristeza (Cruz e Souza) Quando te escuto e te olho reverente E sin...
Anseio Anseio (Augusto dos Anjos) Quem sou eu, neste ergástulo das vidas Danadament...
Aberração Aberração (Augusto dos Anjos) Na velhice automática e na infância, (Hoje, on...
Apocalipse Apocalipse (Augusto dos Anjos) Minha divinatória Arte ultrapassa os séculos ...

Deixe uma resposta