O Cúmplice

Print Friendly, PDF & Email

O Cúmplice (Jorge Luis Borges)

Tradução

Me crucificaram e eu devo ser a cruz e os cravos.
Me oferecem a taça e eu devo ser a cicuta.
Me enganam e eu devo ser a mentira.
Me incendiam e eu devo ser o inferno.
Devo louvar e agradecer cada instante do tempo.
Meu alimento são todas as coisas.
O peso preciso do universo, a humilhação, o júbilo.
Devo justificar minha ventura ou minha desventura.
Sou o poeta.

Publicações relacionadas

Poema tirado de uma notícia de... Poema tirado de uma notícia de jornal (Manuel Bandeira) João gostoso era carr...
Meninos carvoeiros Meninos carvoeiros (Manuel Bandeira) Os meninos carvoeiros Passam a caminho ...
Penachos vívidos Penachos vívidos (José Martí) Como taza en que hierve Ora en carreras locas, ...
Flor do mar Flor do mar (Cruz e Souza) És da origem do mar, vens do secreto, ...

Deixe uma resposta