Sou um Guardador de Rebanhos

Print Friendly, PDF & Email

Sou um Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.

Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.

Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto.
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,

Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz.

Publicações relacionadas

Judia Judia (Cruz e Souza) Ah! Judia! Judia impenitente! De erma e de t...
Barrio sin luz Barrio sin luz (Pablo Neruda) ¿Se va la poesía de las cosas o no la puede c...
A um epiléptico A um epiléptico (Augusto dos Anjos) Perguntarás quem sou?! - ao suor que te u...
Intimidades Intimidades (Charles Pierre Baudelaire) ...

Deixe uma resposta