Sou um Guardador de Rebanhos

Print Friendly, PDF & Email

Sou um Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.

Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.

Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto.
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,

Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz.

Publicações relacionadas

Lento mas vem Lento mas vem (Mario Benedetti) Do livro "Pe...
Impossível Impossível (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Ca...
Solidões Solidões (Mario Benedetti) Tradução Eles tem razão essa felicidade ao me...
O editor O editor (Álvares de Azevedo) —A poesia transcrita é de Torquato, Desse pob...

Deixe uma resposta