A fonte de sangue

Print Friendly, PDF & Email

A fonte de sangue (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Theophilo Dias

Sinto o sangue escapar-me à veia enfebrecida,
Como fonte fugaz; harmônico e purpúreo,
Escuto-o soluçar com lírico murmúrio,
Porém me apalpo em vão; não encontro ferida.

É-lhe leito a cidade, e nela se despenha;
Referve, e cada pedra em ilha transfigura;
E vai matando a sede a cada criatura,
Colorindo de rubro as coisas que desenho.

O vinho aguça a vista e apura mais o ouvido:
Talvez, por isso, em vão, que adormeça, hei pedido
O meu roaz terror um momento sequer;

Em vão também no amor procuro o esquecimento;
Mas o amor, quanto a mim, não é mais que um invento
Com que nos suga o sangue a seda da mulher

Publicações relacionadas

Vesperal Vesperal (Cruz e Souza) Tardes de ouro para harpas dedilhadas Por...
Panteísmo Panteísmo (Antero de Quental) de O...
N’augusta solidão dos cemitéri... N’augusta solidão dos cemitérios (Augusto dos Anjos) Soneto N’augusta soli...
Os dois horizontes Os dois horizontes(Machado de Assis) A M. Ferreira Guimarães Dous ...

Deixe uma resposta