A fonte de sangue

Print Friendly, PDF & Email

A fonte de sangue (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Theophilo Dias

Sinto o sangue escapar-me à veia enfebrecida,
Como fonte fugaz; harmônico e purpúreo,
Escuto-o soluçar com lírico murmúrio,
Porém me apalpo em vão; não encontro ferida.

É-lhe leito a cidade, e nela se despenha;
Referve, e cada pedra em ilha transfigura;
E vai matando a sede a cada criatura,
Colorindo de rubro as coisas que desenho.

O vinho aguça a vista e apura mais o ouvido:
Talvez, por isso, em vão, que adormeça, hei pedido
O meu roaz terror um momento sequer;

Em vão também no amor procuro o esquecimento;
Mas o amor, quanto a mim, não é mais que um invento
Com que nos suga o sangue a seda da mulher

Publicações relacionadas

Ricardo Reis Ricardo Reis (1914-1935) POEMAS PUBLICADOS BIOGRAFIA: Um ...
Ontem à Tarde Ontem à Tarde (Alberto Caeiro) De O...
Mas eu, em cuja alma se reflet... Mas eu, em cuja alma se refletem (Álvaro de Campos) Mas eu, em cuja alma se r...
A Aeronave A Aeronave (Augusto dos Anjos) Cindindo a vastidão do Azul profundo, Sulcand...

Deixe uma resposta