Preceito 07

Print Friendly, PDF & Email

Preceito 07 (Gregório de Matos)

Já pelo sétimo entrando

sem alterar o tonilho,

digo, que quantos o tocam

sempre o tiveram por crítico

Eu sou, a que mais padeço

de seus efeitos malignos,

porque todos meus desdouros

pelo sétimo têm vindo.

Não falo (como lá dizem)

ao ar, ou libere dicto,

pois diz o mundo loquaz,

que encubro mil latrocínios

Se é verdade, eu o não sei,

pois acho implicância nisto

porque o furtar tem dous verbos

um furor, outro surrípio.

Eu não vejo cortar bolsas,

nem sair pelos caminhos,

como fazem nas mais partes

salvo alguns negros fugidos.

Vejo, que a forca, ou picota

paga os altos do vazio,

e que o carrasco não ganha

nem dous réis para cominhos

Vejo, que nos tribunais

há vigilantes Ministros,

e se houvera em mim tal gente

andara à soga em contino.

Porém se disto não há,

com que razão, ou motivo

dizem por aí, que sou

um covil de Latrocínios!

Será por verem, que em mim

é venerado, e querido

Santo Unhate, irmão de Caco,

porque faz muitos prodígios.

Sem questão deve de ser,

porque este Unhate maldito

faz uns milagres, que eu mesma

não sei, como tenho tino.

Pode haver maior milagre

(ouça bem quem tem ouvidos)

do que chegar um Reinol

de Lisboa, ou lá do Minho

ou degredado por crimes

ou por Moço ao Pai fugido,

ou por não ter que comer

no Lugar, onde é nascido:

E saltando no meu cais

descalço, roto, e despido,

sem trazer mais cabedal,

que piolhos, e assobios:

Apenas se ofrece a Unhate

de guardar seu compromisso,

tomando com devoção

sua regra, e seu bentinho:

Quando umas casas aluga

de preço, e valor subido,

e se põe em tempo breve

com dinheiro, e com navios?

Pode haver maior portento,

nem milagre encarecido,

como de ver um Mazombo

destes cá do meu pavio,

que sem ter eira, nem beira

engenho, ou juro sabido

tem amiga, e joga largo

veste sedas, põe polvilhos?

Donde Ihe vem isto tudo?

Cai do Céu? Tal não afirmo;

ou Santo Unhate Iho dá,

ou do Calvário é prodígio.

Consultam agora os sábios,

que de mim fazem corrilhos

se estou ilesa da culpa,

que me dão sobre este artigo.

Mas não quero repetir

a dor e o pesar, que sinto

por dar mais um passo avante

para o oitavo suplício.

Publicações relacionadas

Desencontrários Desencontrários (Paulo Leminski) Mandei a palavra rimar. Ela não me obedeceu...
Aprendiz do Espanto Aprendiz do Espanto (Thiago de Mello Não deflorei ninguém. A primeira mulh...
Ângulo Ângulo (Mário de Sá Carneiro) Aonde irei neste sem-fim perdido, Neste mar oc...
Felicidade clandestina (trecho... Felicidade clandestina(Clarice Lispecto) " Às vezes sentava-se na rede, bal...

Deixe uma resposta