Adeus, Meus Sonhos!

Print Friendly, PDF & Email

Adeus, Meus Sonhos! (Álvares de Azevedo)

Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro!
Não levo da existência uma saudade!
E tanta vida que meu peito enchia
Morreu na minha triste mocidade!

Misérrimo! Votei meus pobres dias
À sina doida de um amor sem fruto,
E minh’alma na treva agora dorme
Como um olhar que a morte envolve em luto.

Que me resta, meu Deus? Morra comigo
A estrela de meus cândidos amores,
Já não vejo no meu peito morto
Um punhado sequer de murchas flores!

Publicações relacionadas

Para um estranho Para um estranho (Walt Whitman) Tradução de Oswaldino Marques Estranho q...
Verdade, Mentira Verdade, Mentira (Alberto Caeiro) Verdade, mentira, certeza, incerteza... A...
No Campo No Campo (Augusto dos Anjos) Tarde. Um arroio canta pela umbrosa Estrada; as...
Barrio sin luz Barrio sin luz (Pablo Neruda) ¿Se va la poesía de las cosas o no la puede c...

Deixe uma resposta