Ângelus

Print Friendly, PDF & Email

Ângelus (Mario Benedetti)

Do livro “Poemas do escritório”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Quem iria me dizer que o destino era isto.

Ver a chuva através de letras invertidas,
um paredão com manchas que simbolizam próceres,
o teto dos ônibus brilhantes como peixes
e essa melancolia que impregna as buzinas.

Aqui não há céu,
aqui não há horizonte.

Há uma mesa grande para todos os braços
e uma cadeira que gira quando quero escapar.
Mais um dia se acaba e o destino era só isso.

É estranho que a gente tenha tempo de se ver triste:
sempre toca uma ordem, um telefone, uma campainha,
e, claro, é proibido chorar sobre os livros
porque não fica bem que a tinta se borre.

Publicações relacionadas

Poemetos Poemetos (Paulo Leminski) I É quando a vida vase É quando como quase....
Bacanal Bacanal (Manuel Bandeira) Quero beber! cantar asneiras No esto brutal das be...
Descobrimento Descobrimento (Carlos Drummond de Andrade) Abancado à escrivaninha em São Pau...
Os dois horizontes Os dois horizontes(Machado de Assis) A M. Ferreira Guimarães Dous ...

Deixe uma resposta