Amor de tarde

Print Friendly, PDF & Email

Amor de tarde (Mario Benedetti)

Do livro “Poemas do escritório”
Tradução de Julio Luís Gehlen

É uma pena você não estar comigo
quando olho o relógio e já são quatro
e termino a planilha e penso 10 minutos
e estico as pernas como todas as tardes
e faço assim com os ombros para relaxar as costas
e estalo os dedos e arranco mentiras.

É uma pena você não estar comigo
quando olho o relógio e já são cinco
e eu sou uma manivela que calcula juros
ou duas mãos que pulam sobre quarenta teclas
ou um ouvido que escuta como ladra o telefone
ou um tipo que faz números e lhes arranca verdades.

É uma pena você não estar comigo
quando olho o relógio e já são seis.
Você podia chegar de repente
e dizer “e aí?” e ficaríamos
eu com a mancha vermelha dos seus lábios
você com o risco azul do meu carbono.

Publicações relacionadas

A cada canto um grande conselh... A cada canto um grande conselheiro (Gregório de Matos) A cada canto um grand...
O Único Mistério do Universo O Único Mistério do Universo (Alberto Caeiro) O único mistério do Universo é ...
Se eu fosse um padre Se eu fosse um padre (Mário Quintana) Tão lenta e serena e bela e majestosa [v...
Confidência do Itabirano Confidência do Itabirano (Carlos Drummond de Andrade) Alguns anos vivi em Ita...

Deixe uma resposta