Amor de tarde

Print Friendly, PDF & Email

Amor de tarde (Mario Benedetti)

Do livro “Poemas do escritório”
Tradução de Julio Luís Gehlen

É uma pena você não estar comigo
quando olho o relógio e já são quatro
e termino a planilha e penso 10 minutos
e estico as pernas como todas as tardes
e faço assim com os ombros para relaxar as costas
e estalo os dedos e arranco mentiras.

É uma pena você não estar comigo
quando olho o relógio e já são cinco
e eu sou uma manivela que calcula juros
ou duas mãos que pulam sobre quarenta teclas
ou um ouvido que escuta como ladra o telefone
ou um tipo que faz números e lhes arranca verdades.

É uma pena você não estar comigo
quando olho o relógio e já são seis.
Você podia chegar de repente
e dizer “e aí?” e ficaríamos
eu com a mancha vermelha dos seus lábios
você com o risco azul do meu carbono.

Publicações relacionadas

Autoretrato Autoretrato (Pablo Neruda) Por mi parte, soy o creo ser duro de nariz, mí...
Cabra Marcado para Morrer Cabra Marcado para Morrer (Ferreira Gullar) Essa guerra do Nordeste não mata...
Mulher e Gata Mulher e Gata (Paul Verlaine) Ela brincava com a gata E era admirável ver as...
Os Deuses Os Deuses (Ricardo Reis) Os deuses desterrados. Os irmãos de Saturno, Às ...

Deixe uma resposta