Leitura

Print Friendly, PDF & Email

Leitura (Adélia Prado)

Era um quintal ensombrado, murado alto de pedras.
Às macieiras tinham maçãs temporãs, a casca vermelha
de escuríssimo vinho, o gosto caprichado das coisas
fora do seu tempo desejadas.

Ao longo do muro eram talhas de barro.
Eu comia maçãs, bebia a melhor água, sabendo
que lá fora o mundo havia parado de calor.

Depois encontrei meu pai, que me fez festa
e não estava doente e nem tinha morrido, por isso ria,
os lábios de novo e a cara circulados de sangue,
caçava o que fazer pra gastar sua alegria:
onde está meu formão, minha vara de pescar,
cadê minha binga, meu vidro de café?

Eu sempre sonho que uma coisa gera,
nunca nada está morto.
O que não parece vivo, aduba.
O que parece estático, espera.

Publicações relacionadas

Nimbos Nimbos (Augusto dos Anjos) Nimbos de bronze que empanais escuros O santuário...
Carolina Carolina (Machado de Assis) Querida, ao pé do leito derradeiro Em que de...
Canção da formosura Canção da formosura (Cruz e Souza) Vinho de sol ideal canta e cintila ...
Distante Melodia Distante Melodia (Mário de Sá Carneiro) Num sonho de Íris morto a oiro e bras...

Deixe uma resposta