Círculo

Print Friendly, PDF & Email

Círculo (Adélia Prado)

Na sala de janta da pensão
tinha um jogo de taças roxo-claro,
duas licoreiras grandes e elas em volta,
como duas galinhas com os pintinhos.

Tinha poeira, fumaça e a cor lilás.

Comíamos com fome, era 12 de outubro
e a Rádio Aparecida conclamava os fiéis
a louvar a Mãe de Deus, o que eu fazia
na cidade de Perdões, que não era bonita.

Plausível tudo.

As horas cabendo o dia,
a cristaleira os cristais
— resíduo pra esta memória —
sem uma palavra demais.

Foi quando disse e entendi:
cabe no tacho a colher.
Se um dia puder,
nem escrevo um livro.

Publicações relacionadas

A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - II (Oscar Wilde) CAPÍTULO II Naquela noite a tempes...
Deste Modo ou Daquele Modo Deste Modo ou Daquele Modo (Alberto Caeiro) ...
Noiturno do Adoescente Morto Noiturno do Adoescente Morto (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (193...
El mañana efímero El mañana efímero (Antonio Machado) A Roberto Castrovido La España de ...

Deixe uma resposta