Versos a um Cão

Print Friendly, PDF & Email

Versos a um Cão (Augusto dos Anjos)

Que força pode, adstricta a ambriões informes,
Tua garganta estúpida arrancar
Do segredo da célula ovular
Para latir nas solidões enormes?!

Esta obnóxia inconsciência, em que tu dormes,
Suficientíssima é, para provar
A incógnita alma, avoenga e elementar
Dos teus antepassados vermiformes.

Cão! — Alma de inferior rapsodo errante!
Resigna-a, ampara-a, arrima-a, afaga-a, acode-a
A escala dos latidos ancestrais. . .

E irá assim, pelos séculos, adiante,
Latindo a esquisitíssima prosódia
Da angústia hereditária dos seus pais!

Publicações relacionadas

A Canção do Africano A Canção do Africano (Castro Alves) Lá na úmida senzala, Sentado na estreita...
A Dança da Psiquê A Dança da Psiquê (Augusto dos Anjos) A dança dos encéfalos acesos Começa. A...
Pouco me Importa Pouco me Importa (Alberto Caeiro) Pouco me importa. Pouco me importa o ...
Preceito 04 Preceito 04 (Gregório de Matos) Vejo, que morrem de fome os Pais daquelas...

Deixe uma resposta