Sensorial

Print Friendly, PDF & Email

Sensorial (Adélia Prado)

Obturação, é da amarela que eu ponho.

Pimenta e cravo,
mastigo à boca nua e me regalo.

Amor, tem que falar meu bem,
me dar caixa de música de presente,
conhecer vários tons pra uma palavra só.

Espírito, se for de Deus, eu adoro,
se for de homem, eu testo
com meus seis instrumentos.
Fico gostando ou perdoo.

Procuro sol, porque sou bicho de corpo.
Sombra terei depois, a mais fria.

Publicações relacionadas

Tempos sombrios Tempos sombrios (Bertold Brecht) Realmente, vivemos tempos sombrios! A inocê...
Para ler de manhã e à noite Para ler de manhã e à noite (Bertold Brecht) Aquele que amo Disse-me Que pr...
Cismar Cismar (Álvares de Azevedo) Fala-me, anjo de luz! és glorioso À minha vista ...
Trova Trova (Mário Quintana) A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa,...

Deixe uma resposta