Orfandade

Print Friendly, PDF & Email

Orfandade (Adélia Prado)

Meu Deus,
me dá cinco anos.
Me dá um pé de fedegoso com formiga preta,
me dá um Natal e sua véspera,
o ressonar das pessoas no quartinho.
Me dá a negrinha Fia pra eu brincar,
me dá uma noite pra eu dormir com minha mãe.
Me dá minha mãe, alegria sã e medo remediável,
me dá a mão, me cura de ser grande,
ó meu Deus, meu pai,
meu pai.

Publicações relacionadas

Tarde de Outono Tarde de Outono (Álvares de Azevedo) Un souvenir heureux est peut-être sur...
Intimidades Intimidades (Charles Pierre Baudelaire) ...
A uma que lhe chamou pica-flor A uma que lhe chamou pica-flor (Gregório de Matos) Se Pica-flor me chamais P...
Rebelado Rebelado (Augusto dos Anjos) Ri tua face um riso acerbo e doente, ...

Deixe uma resposta