Exausto

Print Friendly, PDF & Email

Exausto (Adélia Prado)

Eu quero uma licença de dormir,

perdão pra descansar horas a fio,

sem ao menos sonhar

a leve palha de um pequeno sonho.

Quero o que antes da vida

foi o sono profundo das espécies,

a graça de um estado.

Semente.

Muito mais que raízes

Publicações relacionadas

Datilógrafo Datilógrafo (Mario Benedetti) Do livro "Poema...
O dilúvio O dilúvio(Machado de Assis) E caiu a chuva sobre a terra quarenta dias e q...
Poetas Poetas (Florbela Espanca) Ai as almas dos poetas Não as entende ninguém; Sã...
Para a liberdade e luta Para a liberdade e luta (Paulo Leminski) me enterrem com os trotskistas n...

Deixe uma resposta