Exausto

Print Friendly, PDF & Email

Exausto (Adélia Prado)

Eu quero uma licença de dormir,

perdão pra descansar horas a fio,

sem ao menos sonhar

a leve palha de um pequeno sonho.

Quero o que antes da vida

foi o sono profundo das espécies,

a graça de um estado.

Semente.

Muito mais que raízes

Publicações relacionadas

Apostrofe à Carne Apostrofe à Carne (Augusto dos Anjos) Quando eu pego nas carnes do meu rosto....
Quem se defende Quem se defende (Bertold Brecht) Quem se defende porque lhe tiram o ar Ao lh...
Anseios Anseios (Florbela Espanca) Meu doido coração aonde vais, No teu imenso ansei...
Lápide Lápide (Paulo Leminski) Lápide 1 epitáfio para o corpo Aqui jaz um g...

Deixe uma resposta