Exausto

Print Friendly, PDF & Email

Exausto (Adélia Prado)

Eu quero uma licença de dormir,

perdão pra descansar horas a fio,

sem ao menos sonhar

a leve palha de um pequeno sonho.

Quero o que antes da vida

foi o sono profundo das espécies,

a graça de um estado.

Semente.

Muito mais que raízes

Publicações relacionadas

Não me fechem as portas Não me fechem as portas (Walt Whitman) Não me fechem as portas, orgulhosas b...
Sentimento do Mundo Sentimento do Mundo (Carlos Drummond de Andrade) Tenho apenas duas mãos e o...
Dança do ventre Dança do ventre (Cruz e Souza) Torva, febril, torcicolosamente, N...
Deste Modo ou Daquele Modo Deste Modo ou Daquele Modo (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta