Exausto

Print Friendly, PDF & Email

Exausto (Adélia Prado)

Eu quero uma licença de dormir,

perdão pra descansar horas a fio,

sem ao menos sonhar

a leve palha de um pequeno sonho.

Quero o que antes da vida

foi o sono profundo das espécies,

a graça de um estado.

Semente.

Muito mais que raízes

Publicações relacionadas

Agonia de um Filósofo Agonia de um Filósofo (Augusto dos Anjos) Consulto o Phtah-Hotep. Leio o obso...
Lacrimae rerum Lacrimae rerum (Antero de Quental) ...
Garoto Garoto (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Carrer...
Acordo de Noite Acordo de Noite (Alberto Caeiro) De O...

Deixe uma resposta