A Serra do Rola-Moça

Print Friendly, PDF & Email

A Serra do Rola-Moça (Mário de Andrade)

A Serra do Rola-Moça
Não tinha esse nome não…

Eles eram do outro lado,
Vieram na vila casar.
E atravessaram a serra,
O noivo com a noiva dele
Cada qual no seu cavalo.

Antes que chegasse a noite
Se lembraram de voltar.
Disseram adeus pra todos
E se puserem de novo
Pelos atalhos da serra
Cada qual no seu cavalo.

Os dois estavam felizes,
Na altura tudo era paz.
Pelos caminhos estreitos
Ele na frente, ela atrás.
E riam.Como eles riam!
Riam até sem razão.

A Serra do Rola-Moça
Não tinha esse nome não.

As tribos rubras da tarde
Rapidamente fugiam
E apressadas se escondiam
Lá embaixo nos socavões,
Temendo a noite que vinha.

Porém os dois continuavam
Cada qual no seu cavalo,
E riam.Como eles riam!
E os risos também casavam
Com as risadas dos cascalhos,
Que pulando levianinhos
Da vereda se soltavam,
Buscando o despenhadeiro.

Ali, Fortuna inviolável!
O casco pisara em falso.
Dão noiva e cavalo um salto
Precipitados no abismo.
Nem o baque se escutou.
Faz um silêncio de morte,
Na altura tudo era paz …
Chicoteado o seu cavalo,
No vão do despenhadeiro
O noivo se despenhou.

E a Serra do Rola-Moça
Rola-Moça se chamou.

Publicações relacionadas

A miss X, enterrada em el vien... A miss X, enterrada em el viento del oeste (Rafael Alberti) ¡Ah, Miss X, M...
Vestida de preto Vestida de preto (Mário de Andrade) Tanto andam agora preocupados em definir ...
Supreme Convulsion Supreme Convulsion (Augusto dos Anjos) O equilíbrio do humano pensamento Sof...
Os Esperançosos Os Esperançosos (Bertold Brecht) Pelo que esperam? Que os surdos se deixem c...

Deixe uma resposta