Toada sem alcool

Print Friendly, PDF & Email

Toada sem alcool (Mário de Andrade)


Ninguém sabe da solitude
Que enche meu peito sem emprego,
O qual comunga todo dia
Na missa-baixa do abandono

Mas, rapazes, não tenho culpa
De ter faltado em minha vida
O amigo que me defendesse,
Aquele que eu defenderia.

Publicações relacionadas

Uma Gargalhada Uma Gargalhada (Alberto Caeiro) Uma Gargalhada de rapariga soa do ar da es...
Nunca Mais! Nunca Mais! (Florbela Espanca) Ó castos sonhos meus! Ó mágicas visões! Quime...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 05 (Pablo Neruda) Para que ...
O Oceano O Oceano (George Gordon Byron) (Tradução de Castro Alves) Rola, Oceano pro...

Deixe uma resposta