Toada sem alcool

Print Friendly, PDF & Email

Toada sem alcool (Mário de Andrade)


Ninguém sabe da solitude
Que enche meu peito sem emprego,
O qual comunga todo dia
Na missa-baixa do abandono

Mas, rapazes, não tenho culpa
De ter faltado em minha vida
O amigo que me defendesse,
Aquele que eu defenderia.

Publicações relacionadas

Vaidade Vaidade (Florbela Espanca) A um grande poeta de Portugal Sonho que sou ...
Canto da estrada real – ... Canto da estrada real - 15 (Walt Whitman) Traduçã...
Madona da Tristeza Madona da Tristeza (Cruz e Souza) Quando te escuto e te olho reverente E sin...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 10 (Pablo Neruda) Hemos per...

Deixe uma resposta