Toada sem alcool

Print Friendly, PDF & Email

Toada sem alcool (Mário de Andrade)


Ninguém sabe da solitude
Que enche meu peito sem emprego,
O qual comunga todo dia
Na missa-baixa do abandono

Mas, rapazes, não tenho culpa
De ter faltado em minha vida
O amigo que me defendesse,
Aquele que eu defenderia.

Publicações relacionadas

No meu Prato No meu Prato (Alberto Caeiro) De O ...
O Sarcófago O Sarcófago (Augusto dos Anjos) Senhor da alta hermenêutica do Fado Perlustr...
As Quatro Canções As Quatro Canções (Alberto Caeiro) ...
Solte os cachorros Solte os cachorros - trechos do livro (Adélia Prado) " Pai que estais no céu ...

Deixe uma resposta