Toada sem alcool

Print Friendly, PDF & Email

Toada sem alcool (Mário de Andrade)


Ninguém sabe da solitude
Que enche meu peito sem emprego,
O qual comunga todo dia
Na missa-baixa do abandono

Mas, rapazes, não tenho culpa
De ter faltado em minha vida
O amigo que me defendesse,
Aquele que eu defenderia.

Publicações relacionadas

Cinco horas Cinco horas (Mário de Sá Carneiro) Minha mesa no Café, Quero-lhe tanto... ...
As litanias de Satã (2) As litanias de Satã (2) (Charles Pierre Baudelaire) ...
Os componentes da banda Os componentes da banda - trechos do livro (Adélia Prado) "Viver está ficando...
Em pé Em pé (Mario Benedetti) Do livro "Inventário"...

Deixe uma resposta