Toada sem alcool

Print Friendly, PDF & Email

Toada sem alcool (Mário de Andrade)


Ninguém sabe da solitude
Que enche meu peito sem emprego,
O qual comunga todo dia
Na missa-baixa do abandono

Mas, rapazes, não tenho culpa
De ter faltado em minha vida
O amigo que me defendesse,
Aquele que eu defenderia.

Publicações relacionadas

O Universo O Universo (Alberto Caeiro) O universo não é uma idéia minha. A minha i...
A orillas del Duero A orillas del Duero (Antonio Machado) Mediaba el mes de julio. Era un hermoso...
Na Morte De Um Combatente Da P... Na Morte De Um Combatente Da Paz (Bertold Brecht) Á memória de Carl von Ossie...
O Gramático O Gramático (Oswald de Andrade) Os negros discutiam Que o cavalo sipantou M...

Deixe uma resposta