Toada sem alcool

Print Friendly, PDF & Email

Toada sem alcool (Mário de Andrade)


Ninguém sabe da solitude
Que enche meu peito sem emprego,
O qual comunga todo dia
Na missa-baixa do abandono

Mas, rapazes, não tenho culpa
De ter faltado em minha vida
O amigo que me defendesse,
Aquele que eu defenderia.

Publicações relacionadas

O Mar, a Escada e o Homem O Mar, a Escada e o Homem (Augusto dos Anjos) O mar é triste como um cemitéri...
Demogorgon Demogorgon (Álvaro de Campos) Na rua cheia de sol vago há casas paradas e gen...
A Um Epilético A Um Epilético (Augusto dos Anjos) Perguntarás quem sou?! — ao suor que te un...
Esse Desemprego! Esse Desemprego! (Bertold Brecht) Meus senhores, é mesmo um problema Esse de...

Deixe uma resposta