Toada sem alcool

Print Friendly, PDF & Email

Toada sem alcool (Mário de Andrade)


Ninguém sabe da solitude
Que enche meu peito sem emprego,
O qual comunga todo dia
Na missa-baixa do abandono

Mas, rapazes, não tenho culpa
De ter faltado em minha vida
O amigo que me defendesse,
Aquele que eu defenderia.

Publicações relacionadas

A morte absoluta A morte absoluta (Manuel Bandeira) Morrer. Morrer de corpo e de alma. Compl...
Fim Fim (Mário de Sá Carneiro) Quando eu morrer batam em latas, Rompam aos salto...
O analfabeto político O analfabeto político (Bertold Brecht) "O pior analfabeto é o analfabeto polí...
Ser Poeta Ser Poeta (Florbela Espanca) Do Livro Charneca em...

Deixe uma resposta