A Um Gérmen

Print Friendly, PDF & Email

A Um Gérmen (Augusto dos Anjos)

Começaste a existir, geléia crua,
E hás de crescer, no teu silêncio, tanto
Que, é natural, ainda algum dia, o pranto
Das tuas concreções plásmicas flua!

A água, em conjugação com a terra nua,
Vence o granito, deprimindo-o … O espanto
Convulsiona os espíritos, e, entanto,
Teu desenvolvimento continua!

Antes, geléia humana, não progridas
E em retrogradações indefinidas,
Volvas à antiga inexistência calma!…

Antes o Nada, oh! gérmen, que ainda haveres
De atingir, como o gérmen de outros seres,
Ao supremo infortúnio de ser alma!

Publicações relacionadas

Fim Fim (Mário de Sá Carneiro) Quando eu morrer batam em latas, Rompam aos salto...
Pecadora Pecadora (Augusto dos Anjos) Arte ingrata! E conquanto, em desalento, A órb...
Cultivo una rosa blanca Cultivo una rosa blanca (José Martí) De Versos Sencillos...
Barcarola Barcarola (Augusto dos Anjos) Barcarola Cantam nautas, choram flautas Pel...

Deixe uma resposta