A Um Gérmen

Print Friendly, PDF & Email

A Um Gérmen (Augusto dos Anjos)

Começaste a existir, geléia crua,
E hás de crescer, no teu silêncio, tanto
Que, é natural, ainda algum dia, o pranto
Das tuas concreções plásmicas flua!

A água, em conjugação com a terra nua,
Vence o granito, deprimindo-o … O espanto
Convulsiona os espíritos, e, entanto,
Teu desenvolvimento continua!

Antes, geléia humana, não progridas
E em retrogradações indefinidas,
Volvas à antiga inexistência calma!…

Antes o Nada, oh! gérmen, que ainda haveres
De atingir, como o gérmen de outros seres,
Ao supremo infortúnio de ser alma!

Publicações relacionadas

Madrugada Madrugada (Adolfo Casais Monteiro) Ah! Este poema das madrugadas, que há tant...
Guitarra del meson Guitarra del meson (Antonio Machado) Guitarra del Mesón que hoy suenas jota, ...
Na Guerra Muitas Coisas Cresce... Na Guerra Muitas Coisas Crescerão (Bertold Brecht) Ficarão maiores As proprie...
Elevação Elevação (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Eduardo Guimarães So...

Deixe uma resposta