A Um Epilético

Print Friendly, PDF & Email

A Um Epilético (Augusto dos Anjos)

Perguntarás quem sou?! — ao suor que te unta,
À dor que os queixos te arrebenta, aos trismos
Da epilepsia horrenda, e nos abismos
Ninguém responderá tua pergunta!

Reclamada por negros magnetismos
Sua cabeça há de cair, defunta
Na aterradora operação conjunta
Da tarefa animal dos organismos!

Mas após o antropófago alambique
Em que é mister todo o teu corpo fique
Reduzido a excreções de sânie e lodo,

Como a luz que arde, virgem, num monturo,
Tu hás de entrar completamente puro
Para a circulação do Grande Todo!

Publicações relacionadas

Te quiero Te quiero (Mario Benedetti) Tus manos son mi caricia mis acordes cotidianos...
Quase um réquiem Quase um réquiem (Mario Benedetti) Do livro "...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 05 (Pablo Neruda) Para que ...
A carniça A carniça (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Álvaro Reis Lembras-te...

Deixe uma resposta