A um Carneiro Morto

Print Friendly, PDF & Email

A um Carneiro Morto (Augusto dos Anjos)

Misericordiosíssímo carneiro
Esquartejado, a maldição de Pio
Décimo caia em teu algoz sombrio
E em todo aquele que for seu herdeiro!

Maldito seja o mercador vadio
Que te vender as carnes por dinheiro,
Pois, tua lã aquece o mundo inteiro
E guarda as carnes dos que estão com frio!

Quando a faca rangeu no teu pescoço,
Ao monstro que espremeu teu sangue grosso
Teus olhos — fontes de perdão — perdoaram!

Oh! tu que no Perdão eu simbolizo,
Se fosses Deus, no Dia do juízo,
Talvez perdoasses os que te mataram!

Publicações relacionadas

O silêncio e o mar O silêncio e o mar (Mario Benedetti) Do livr...
Para um estranho Para um estranho (Walt Whitman) Tradução de Oswaldino Marques Estranho q...
Samba – canção Samba-canção (Ana Cristina Cesar) Tantos poemas que perdi. Tantos que ouvi, ...
Essas coisas Essas coisas (Carlos Drummond de Andrade) “Você não está na idade de sofrer ...

Deixe uma resposta