A um Carneiro Morto

Print Friendly, PDF & Email

A um Carneiro Morto (Augusto dos Anjos)

Misericordiosíssímo carneiro
Esquartejado, a maldição de Pio
Décimo caia em teu algoz sombrio
E em todo aquele que for seu herdeiro!

Maldito seja o mercador vadio
Que te vender as carnes por dinheiro,
Pois, tua lã aquece o mundo inteiro
E guarda as carnes dos que estão com frio!

Quando a faca rangeu no teu pescoço,
Ao monstro que espremeu teu sangue grosso
Teus olhos — fontes de perdão — perdoaram!

Oh! tu que no Perdão eu simbolizo,
Se fosses Deus, no Dia do juízo,
Talvez perdoasses os que te mataram!

Publicações relacionadas

Chove. Há silêncio, porque a m... Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva (Fernando Pessoa) Chove. Há silênci...
Elegia Elegia (Nicolás Guillén) De "El ...
Súplica Súplica (Florbela Espanca) Olha pra mim, amor, olha pra mim; Meus olhos anda...
A alma do homem sob o socialis... A alma do homem sob o socialismo (Oscar Wilde) " A educação é uma coisa admir...

Deixe uma resposta