Mágoas

Print Friendly, PDF & Email

Mágoas (Augusto dos Anjos)

Quando nasci, num mês de tantas flores,
Todas murcharam, tristes, langorosas,
Tristes fanaram redolentes rosas,
Morreram todas, todas sem olores.

Mais tarde da existência nos verdores
Da infância nunca tive as venturosas
Alegrias que passam bonançosas,
Oh! Minha infância nunca teve flores!

Volvendo à quadra azul da mocidade,
Minh’alma levo aflita à Eternidade,
Quando a morte matar meus dissabores.

Cansado de chorar pelas estradas,
Exausto de pisar mágoas pisadas,
Hoje eu carrego a cruz das minhas dores!

Publicações relacionadas

Visão da morte Visão da morte (Cruz e Souza) Olhos voltados para mim e abertos O...
A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - IV (Oscar Wilde) CAPÍTULO IV No dia imediato o fa...
Oração Oração (Charles Pierre Baudelaire) T...
Num Dia de Verão Num Dia de Verão (Alberto Caeiro) D...

Deixe uma resposta