Mãos

Print Friendly, PDF & Email

Mãos (Augusto dos Anjos)

Há mãos que fazem medo
Feias agregações pentagonais,
Umas, em sangue, a delinqüentes natos,
Assinalados pelo mancinismo,

Pertencentes talvez…
Outras, negras, a farpas de rochedo
Completamente iguais…
Mãos de linhas análogas a anfratos
Que a Natureza omnicreadora fez
Em contraposição e antagonismo
Às da estrela, às da neve, às dos cristais.

Mãos que adquiriram olhos, pituitárias
Olfativas, tentáculos subtis
E à noite, vão cheirar, quebrando portas
O azul gasofiláceo silencioso
Dos tálamos cristãos.
Mãos adúlteras, mãos mais sanguinárias
E estupradoras do que os bisturis
Cortando a carne em flor das crianças mortas.
Monstruosíssimas mãos,
Que apalpam e olham com lascívia e gozo
A pureza dos corpos infantis.

Publicações relacionadas

Voz fugitiva Voz fugitiva (Cruz e Souza) Às vezes na tu'alma que adormece Tanto e tão fun...
Vice versa Vice versa (Mario Benedetti) Tenho medo de ver-te necessidade de ver-te esp...
Subversiva Subversiva (Ferreira Gullar) A poesia quando chega não respeita nada. Nem ...
Vox Victiae Vox Victiae (Augusto dos Anjos) Morto! Consciência quieta haja o assassino ...

Deixe uma resposta