Louvor a Unidade

Print Friendly, PDF & Email

Louvor a Unidade (Augusto dos Anjos)

Escafandros, arpões, sondas e agulhas
Debalde aplicas aos heterogêneos
Fenômenos, e, há inúmeros milênios,
Num pluralismo hediondo o olhar mergulhas!

Une, pois, a irmanar diamantes e hulhas,
Com essa intuição monística dos gênios,
À hirta forma falaz do are perennius
A transitoriedade das fagulhas!

Era a estrangulação, sem retumbância,
Da multimilenária dissonância
Que as harmonias siderais invade…

Era, numa alta aclamação, sem gritos,
O regresso dos átomos aflitos
Ao descanso perpétuo da Unidade!

Publicações relacionadas

Egmont (1787, tragédia em 5 at... Egmont (1787, tragédia em 5 atos) - resumo (Johann Wofgang von Goethe) A ação...
Poema da Necessidade Poema da Necessidade (Carlos Drummond de Andrade) É preciso casar João, é p...
Nada me demove Nada me demove (Paulo Leminski) nada me demove ainda vou ser o pai dos ...
Quem não sabe de ajuda Quem não sabe de ajuda (Bertold Brecht) Como pode a voz que vem das casas Se...

Deixe uma resposta