Lirial

Print Friendly, PDF & Email

Lirial (Augusto dos Anjos)

Por que choras assim, tristonho lírio,
Se eu sou o orvalho eterno que te chora,
P’ra que pendes o cálice que enflora
Teu seio branco do palor do círio?!

Baixa a mim, irmã pálida da Aurora,
Estrela esmaecida do Martírio;
Envolto da tristeza no delírio,
Deixa beijar-te a face que descora!

Fosses antes a rosa purpurina
E eu beijaria a pétala divina
Da rosa, onde não pousa a desventura.

Ai! que ao menos talvez na vida escassa
Não chorasses à sombra da desgraça,
Para eu sorrir à sombra da ventura!

Publicações relacionadas

Foederis arca Foederis arca (Cruz e Souza) Visão que a luz dos Astros louros trazes, ...
Últimas lamentaciones de Abel ... Últimas lamentaciones de Abel Martín (Antonio Machado) Hoy, con la primavera,...
Romance del emplazado Romance del emplazado (Federico Garcia Lorca) Para E...
Canção I Canção I (Cecília Meireles) Nunca eu tivera querido dizer palavras tão louc...

Deixe uma resposta