Lua

Print Friendly, PDF & Email

Lua (Cruz e Souza)

Clâmides frescas, de brancuras frias,
Finíssimas dalmáticas de neve
Vestem as longas arvores sombrias,
Surgindo a Lua nebulosa e leve…

Névoas e névoas frígidas ondulam…
Alagam lácteos e fulgentes rios
Que na enluarada refração tremulam
Dentre fosforescências, calafrios…

E ondulam névoas, cetinosas rendas
De virginais, de prônubas alvuras…
Vagam baladas e visões e lendas
No flórido noivado das Alturas…

E fria, fluente, frouxa claridade
Flutua como as brumas de um letargo…
E erra no espaço, em toda a imensidade,
Um sonho doente, cilicioso, amargo…

Da vastidão dos páramos serenos,
Das siderais abóbadas cerúleas
Cai a luz em antífonas, em trenos,
Em misticismos, orações e dúlias…

E entre os marfins e as pratas diluídas
Dos lânguidos clarões tristes e enfermos,
Com grinaldas de roxas margaridas
Vagam as Virgens de cismares ermos…

Cabelos torrenciais e dolorosos
Bóiam nas ondas dos etéreos gelos.
E os corpos passam níveos, luminosos,
Nas ondas do luar e dos cabelos…

Vagam sombras gentis de mortas, vagam
Em grandes procissões, em grandes alas,
Dentre as auréolas, os clarões que alagam,
Opulências de pérolas e opalas

E a Lua vai clorótica fulgindo
Nos seus alperces etereais e brancos,
A luz gelada e pálida diluindo
Das serranias pelos largos flancos…

Ó Lua das magnólias e dos lírios!
Geleira sideral entre as geleiras!
Tens a tristeza mórbida dos círios
E a lividez da chama das poncheiras!

Quando ressurges, quando brilhas e amas,
Quando de luzes a amplidão constelas,
Com os fulgores glaciais que tu derramas
Das febre e frio, dás nevrose, gelas…

A tua dor cristalizou-se outrora
Na dor profunda mais dilacerada
E das cores estranhas, ó Astro, agora,
És a suprema Dor cristalizada!…

Publicações relacionadas

Idealismo Idealismo (Augusto dos Anjos) Falas de amor, e eu ouço tudo e calo! O amor d...
Mulata Mulata (Nicolás Guillén) De Motivos de Son Ya yo ...
Ustedes y nosotros Ustedes y nosotros (Mario Benedetti) Ustedes cuando aman exigen bienestar ...
A praça estava cheia A praça estava cheia. (Augusto dos Anjos) Soneto A praça estava cheia. O c...

Deixe uma resposta