Noiva da agonia

Print Friendly, PDF & Email

Noiva da agonia (Cruz e Souza)

Trêmula e só, de um túmulo surgindo,
Aparição dos ermos desolados,
Trazes na face os frios tons magoados,
De quem anda por túmulos dormindo…

A alta cabeça no esplendor, cingindo
Cabelos de reflexos irisados,
Por entre aureolas de clarões prateados,
Lembras o aspecto de um luar diluindo…

Não és, no entanto, a torva Morte horrenda,
Atra, sinistra, gélida, tremenda,
Que as avalanches da Ilusão governa…

Mas ah! és da Agonia a Noiva triste
Que os longos braços lívidos abriste
Para abraçar-me para a Vida eterna!

Publicações relacionadas

Mi Buenos Aires querido Mi Buenos Aires querido (Juan Gelman) Do livro ...
Cantiga do Neno da Tenda Cantiga do Neno da Tenda (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (1935) ...
A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - VI (Oscar Wilde) CAPÍTULO VI Daí a dez minutos, a s...
Terra dos homens I Terra dos homens I (Antoine de Saint-Exupéry) Trechos do livro " Se às vez...

Deixe uma resposta