O Fim Das Coisas

Print Friendly, PDF & Email

O Fim Das Coisas (Augusto dos Anjos)

Pode o homem bruto, adstricto à ciência grave,
Arrancar, num triunfo surpreendente,
Das profundezas do Subconsciente
O milagre estupendo da aeronave!

Rasgue os broncos basaltos negros, cave,
Sôfrego, o solo sáxeo; e, na ânsia ardente
De perscrutar o íntimo do orbe, invente
A limpada aflogística de Davy!

Em vão! Contra o poder criador do Sonho
O Fim das Coisas mostra-se medonho
Como o desaguadouro atro de um rio …

E quando, ao cabo do último milênio,
A humanidade vai pesar seu gênio
Encontra o mundo, que ela encheu, vazio!

Publicações relacionadas

Andorinha Andorinha (Manuel Bandeira) Andorinha lá fora está dizendo: — "Passei o di...
O que Ouviu os Meus Versos O que Ouviu os Meus Versos (Alberto Caeiro) O que ouviu os meus versos disse...
Canzón de Cuna Pra Rosalia Cas... Canzón de Cuna Pra Rosalia Castro, Morta (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas ...
Supreme Convulsion Supreme Convulsion (Augusto dos Anjos) O equilíbrio do humano pensamento Sof...

Deixe uma resposta