O Deus-Verme

Print Friendly, PDF & Email

O Deus-Verme (Augusto dos Anjos)

Factor universal do transformismo.
Filho da teleológica matéria,
Na superabundância ou na miséria,
Verme — é o seu nome obscuro de batismo.

Jamais emprega o acérrimo exorcismo
Em sua diária ocupação fúnerea,
E vive em contubérnio com a bactéria,
Livre das roupas do antropomorfismo.

Almoça a podridão das drupas agras,
Janta hidrópicos, rói vísceras magras
E dos defuntos novos incha a mão…

Ah! Para ele é que a carne podre fica,
E no inventário da matéria rica
Cabe aos seus filhos a maior porção!

Publicações relacionadas

Elegia Elegia (Nicolás Guillén) De "El ...
Fausto – Parte I (1806) ... Fausto - Parte I (1806) - resumo (Johann Wofgang von Goethe) A sede de onipot...
Profissão de febre Profissão de febre (Paulo Leminski) Quando chove, Eu chovo, Faz sol, Eu fa...
A ponte A ponte (Mario Benedetti) Do livro "Pergunt...

Deixe uma resposta